Mini carrinho

A educação continuada representa o conceito de que “nunca é cedo ou tarde demais para se aprender”, uma filosofia que tem sido adaptada por uma vasta gama de organizações diferentes. A mesma é atitudinal, ou seja, as pessoas podem e devem estar abertas a novas idéias, decisões, habilidades ou comportamentos. Esta educação atira porta afora o axioma de que “não se ensinam novos truques a um cachorro velho”.

Ela vê as pessoas como capazes de aproveitar oportunidades de aprendizado em todas as idades e em numerosos contextos: no trabalho, em casa e através de atividades de lazer, não apenas através de canais formais tais como escolas e universidades. Pode ser entendida como qualquer tipo de prática ou aprendizagem pós-ensino.

Do ponto de vista empresarial, educação continuada é o conjunto de esforços necessários ao profissional para acompanhar a mudança constante de cenários em sua área de atuação. Sendo assim, quaisquer atualizações de conhecimentos, pode ser caracterizada como educação continuada. É necessário entender a necessidade deste tipo de educação.

A PUC-RS em seu site sobre Educação Continuada, na página onde apresenta este conceito para o público, aponta alguns fatores geradores desta necessidade do profissional moderno, dentre os quais quatro se destacam: Atualizar-se no seu campo profissional; aprofundar habilidades e conhecimentos técnicos; diferenciar-se no mercado de trabalho; e buscar novas oportunidades de atuação profissional.

A enorme gama de informações, depoimentos de casos, ferramentas e metodologias disponíveis na internet, além do número de pessoas competentes e experientes conectadas nas redes sociais fornecem a matéria prima necessária à atualização das competências do profissional da era informacional. Mas e o tempo necessário à filtragem desta avalanche de informações? E a ajuda da expertise de educadores e de profissionais experientes no mercado para indicar o que é relevante, separando o trigo do joio? Quem pode responder a estas questões são os educadores que trabalham com educação gerencial e andragogia. Esta tribo, normalmente composta por profissionais experientes que militam na academia, pode contribuir de maneira eficaz para o desenvolvimento continuado de gerentes e profissionais.

O MEC

O MEC- Ministério da Educação nada pode e nem regula os cursos de educação continuada. Ele é um órgão normativo apenas no que tange aos cursos superiores e de graduação.

Acreditar que o MEC tem autonomia para regular a educação continuada é uma ignorância e uma falta de compreensão da LDB.

ONDE ADQUIRIR EDUCAÇÃO CONTINUADA

A Educação Continuada você pode adquirir no seu aprendizado diário . Nesse sentido, parte-se do pressuposto que todos nós aprendemos todos os dias adquirindo novas experiências.

A Educação continuada ela pode ser exercida até por meio de escrever os próprios sonhos em um pequeno diário. Freud dizia que a estrada mais curta para o inconsciente são os sonhos. Bom, não irei psicanalizar aqui. Usei isso apenas, como um exemplo de aprendizado. Em suma a educação continuada pode ser buscada de maneira gratuita, porém isso traz consigo uma série de perigos que falaremos posteriormente.

FERRAMENTAS DE APRENDIZADO

Desde de o advento da internet a informação passou por uma grande desvalorização. Note-se quanto de conteúdo gratuito hoje possuímos na internet. Sendo assim pode-se adquirir educação continuada no dia a dia e na internet sob os mais diversos tipos de consultas: Blogs, sites, murais de mídias sociais, serviços de armazenagem em nuvem, chats e fóruns de discussão são ferramentas adequadas ao suporte da educação continuada, a partir da disponibilização de informações, metodologias e práticas de temas centrais onde o educador detém experiência.

O PERIGO DA EDUCAÇÃO CONTINUADA DE MANEIRA GRATUITA

O grande perigo da internet e das informações adquiridas no dia a dia é não ter acesso as fontes certas. Isso pode causar grandes prejuízos a curto, médio e longo prazo para aquele que assimila informações que não seja verídicas. Diante disso, aquilo que pode ser de graça pode custar muito caro para aquele que assimila determinada informação sem saber de qual fonte esta buscando. Não existe regulação na internet. Na internet tudo pode viralizar e se tornar uma verdade incontestável para muitos. Diante disso, esse é um grande perigo para aquele que busca uma educação gratuita. Deve-se ter em mente que mesmo na internet os assuntos não estão em ordem e sequer organizados de maneira prática para aquele que busca o conhecimento. Mas existem pessoas que não valorizam a educação e acham que a mesma deve ser de graça. Para esse tipo de pessoa, não esperamos compreensão de tal fato, pois a mesma esta completamente desprovida de senso crítico. Para alguém que busca informação e educação continuada gratuitamente pela internet, essa pessoa deve possuir um alto padrão elevado de senso critico se preocupando com as fontes citadas e com o nível intelectual e cultural dos seus autores. Caso contrário poderá afirmar besteiras e insanidades.

RECOMENDAÇÃO CERTA EM ONDE SE BUSCAR A EDUCAÇÃO CONTINUADA

Neste artigo visa-se informar a melhor e mais segura maneira de adquirir o conhecimento.

Diante disso, recomenda-se a educação paga, porém com alguns cuidados. Agora alguns podem alegar diante disso: “e a educação do governo?”. Para isso basta se perguntar o seguinte: você já precisou do SUS? Quantas vezes as escolas públicas ficam de greve durante o ano? Quantas reportagens você já teve acesso a precariedade do ensino público? Já lhe respondi. A melhor educação ainda é a privada pois existe a competição de mercado, e as mesmas lutam para oferecer o melhor para seus alunos. Assim continuam fortes e competitivas no mercado.

Isso também, porque essas mesmas escolas, irão tomar cuidado para fornecer o devido material didático pedagócgico produzido e organizado para que você possa levar o seu curso com tranqüilidade e segurança devida. O risco que você correrá com informações falsas, será infinitamente menor caso estivesse buscando sua educação continuada sem senso critico e de maneira indiscriminada e gratuita pela internet.

Outro problema da educação gratuita na internet é que muitas vezes o participante não poderá comprovar seus estudos com uma certificação. Isso fará toda a diferença no mercado de trabalho. Mas mesmo as escolas, institutos particulares podem querer lhe seduzir com baixos preços e falsas promessas. Aqui você deve tomar bastante cuidado e observar os pontos que se seguem E NUNCA JAMAIS OPTAR PELO MENOR PREÇO POIS O BARATO SAI ETERNAMENTE CARO:

1. Corpo Docente: Você poder ter acesso para verificar a qualidade do corpo docente disponibilizado pela instituição em questão. Procure saber se a mesma possui especialistas, mestres, doutores e até mesmo pós doutores.

2. Modalidade de Ensino: Procure escolas que possam oferecer as principais modalidades de ensino: Presencial ou á distancia. Você deve pensar nisso, pois caso queira quaisquer uma dessas modalidades, as mesmas possam estar disponíveis para você. Caso queira estudar presencialmente veja se facilmente esta instituição de sua pretensão oferta espaço físico adequado. Em caso de desejar estudar a distancia, se certifique de que essa instituição tenha e oferte tecnologias adequadas e sistemas para o ensino EAD de maneira satisfatória.

3. Metodologia de Ensino: Certifique-se que a instituição oferece metodologia de ensino adequada que seja apoiada e aprovada por pesquisadores das áreas das ciências educacionais.

4. Integridade Institucional: Verifique se a instituição de ensino pretendida por você possui tempo no mercado, se possui ou não reclamação no reclame aqui, se a mesma responde a alguma ação judicial ou até mesmo criminal, se a mesma possui protesto ou não no cartório, se a mesma possui negativação ou não no SPC e Serasa e verifique também sua avaliação na internet. Todas essas são maneiras de evitar problemas futuros.

SUGESTÃO DE INSTITUIÇÃO

Ok. Agora complicou. Parece que oferecer educação mesmo de cunho continuada não parece ser tão fácil assim. Mas essa sugestão aqui, é dada para você tomar a melhor decisão pela sua educação e nunca o contrário.

A sugestão que se faz é pela Emill Brunner University. Ela esta a mais de 9 anos de atuação no mercado educacional com uma das melhores avaliações da internet. A mesma não possui nenhum protesto em cartório, nenhuma negativação junto ao SPC e Serasa, além de não possuir nenhum processo judicial nem criminal. A mesma esta devidamente cadastrada no MEC, e talvez seja a única no Brasil desse porte que oferece educação continuada com poragramas únicos no mercado.

Ela possui mais de 80% do seu corpo docente de doutores e pós doutores. Já certificou mais de 1000 pessoas nos cinco continentes do globo. Já recebeu inúmeros prêmios educacionais de instituições brasileiras e estrangeiras.

A mesma possui um dos sites educacionais mais completos da web avaliado recentemente em 1 milhão e 800 mil reais. A mesma possui excelente estrutura física para seminários, palestras, shows cognitivos e conferências.

No EAD oferece plataforma digital de aprendizagem com todos os recursos para o aluno potencializar em até 80% o seu aprendizado. Oferece todo o material didático incluso e professores e tutotres por meio de sua plataforma Streaming Full HD. Todas as vídeo aulas são gravadas e disponibilizadas para o aluno assistir quantas vezes forem necessárias.

Além disso, oferta para cada aluno matriculado grupos de apoio no facebook, whatsapp, telefone e apoio por meio de chat pelo próprio site. Sem contar com os bônus inclusos ofertados para seus estudantes. O aluno terá acesso a biblioteca virtual da instituição para fazer suas respectivas pesquisas com todo o conforto.

Ao termino o aluno receberá seu certificado confeccionado em materiais de luxo e enviados por correio. Este mesmo certificado servirá para bonificação salarial, preenchimento de curriculum, comprovação de estudos, horas complementares para universitários e amplamente aceitos para provas de títulos. 

Conseguimos, assim, entender que cada entidade familiar pode ter integrantes distintos, como por exemplo:

uma família constituída pela avó e seus netos; outra exclusivamente por irmãos, outra por mãe e filhos socioafetivos; ou, ainda, por um casal homoafetivo.

A formação de uma família, a sua modificação após um divórcio ou dissolução de união estável, o nascimento de filhos e até mesmo o envelhecimento dos pais geram direitos e deveres para todos os envolvidos.

Namoro

O QUE É UM NAMORO?

É um relacionamento sério, mas o casal ainda não possui e nem demonstra para a sociedade a intenção de firmar laços familiares e constituir família;

DURANTE O PERÍODO DE DISTANCIAMENTO SOCIAL OCASIONADO PELA PANDEMIA DO COVID-19 MUITOS CASAIS PASSARAM A MORAR JUNTOS. ESSE PERÍODO SERIA SUFICIENTE PARA CONSIDERAR A CONSTITUIÇÃO DE UMA UNIÃO ESTÁVEL?

De certo que não, pois a união estável requer a vontade de constituir família, manifestada pelo casal para parentes, amigos e conhecidos (através de fotos, da presença do casal em eventos familiares, do cuidado entre eles, por exemplo) e nem sempre se exige que esse casal esteja se relacionando há muito tempo ou que more junto;

EXISTE ALGUMA FORMA E PROTEGER OS NAMORADOS DE UM FUTURO PEDIDO DE RECONHECIMENTO DE UNIÃO ESTÁVEL, QUANDO O RELACIONAMENTO ACABAR?

Quando os namorados desejam permanecer um relacionamento sério, mas que não acarrete o reconhecimento de uma união estável, eles precisam estabelecer vidas próprias e independentes. Assim, se não pretendem conviver numa comunhão de vida, eles devem, por exemplo, manter contas bancárias e investimentos individuais; não adquirir bens e serviços em conjunto; não estabelecer qualquer dependência financeira entre eles; entre outras situações.

O contrato de namoro pode servir para que as partes protejam seus direitos em caso de um futuro rompimento;

O QUE É UM CONTRATO DE NAMORO?

É um documento particular ou elaborado em Cartório de Notas pelas partes, de preferência, mas não obrigatoriamente, na presença de advogados, que expressa a intenção do casal de não constituir família. Nesse documento deve constar expressamente que o relacionamento amoroso das partes não tem como objetivo a constituição de uma entidade familiar, impedindo, em regra, eventual reconhecimento de união estável. No entanto, se após a assinatura desse contrato o casal se manifestar de forma diversa, ou seja, se demonstrarem entre eles e perante a sociedade que querem sim constituir família, esse contrato poderá perder sua eficácia.

Noivado

O QUE É UM NOIVADO ?

Trata-se de um compromisso moral e social firmado entre um casal de namorados e significa a intenção de casamento futuro deles. Esse compromisso, no entanto, pode ser desfeito a qualquer tempo.

Mesmo que os noivos (ou nubentes) decidam morar juntos antes do casamento, tal fato não implica que necessariamente já estejam em união estável, pois nem sempre eles estão atuando como companheiros;

SE O NOIVADO FOR ROMPIDO, O QUE O CASAL DEVE FAZER COM OS PRESENTES QUE RECEBERAM NESSE PERÍODO?

Os artigos 546 e 547 do Código Civil indicam que os presentes dados pelos nubentes (noivos) entre si, ou por terceiro a um deles, a ambos, ou, ainda, aos filhos que, de futuro, tiverem um do outro, poderão ser requeridos de volta por quem presenteou;

SE UM DOS NOIVOS PRETENDE ROMPER O NOIVADO, ELE DEVERÁ PAGAR INDENIZAÇÃO AO(À) PARCEIRO(A) ABANDONADO(A)?

É inegável que a dor e o sofrimento gerados por um rompimento imotivado de relacionamento são intensos e profundos, mas essa quebra de compromisso gera, em regra, somente indenização pelos prejuízos materiais havidos para preparação do casamento (despesas com a celebração, com a lua-de-mel, com o novo lar, etc.). Em menor frequência, é possível obter através de um processo indenização por danos morais quando houver alguma atitude abusiva daquele de rompeu o noivado (por exemplo, quando a desistência do casamento ocorrer no momento da celebração ou poucos dias antes dela; ou em razão de uma traição).

Casamento

A Constituição Federal de 1988 assegura o direito à igualdade e estabelece como objetivo fundamental do Estado promover o bem de todos, sem preconceito de sexo (art. 3º, IV); ressalta a igualdade entre homens e mulheres, em direitos e obrigações (art. 5º, I); e afirma que os direitos e deveres referentes à sociedade conjugal são exercidos igualmente pelo homem e pela mulher (art. 226, § 5º).

O Código Civil de 2002, por sua vez, indica que “o casamento estabelece comunhão plena de vida, com base na igualdade de direitos e deveres dos cônjuges” (art. 1.511); e prevê que “homem e mulher assumem mutuamente a condição de consortes, companheiros e responsáveis pelos encargos da família” (art. 1.565).

Conclusão

Contudo, sempre busque ajuda de um profissional em qualquer dificuldade que se tenha no processo da solicitação de pensão alimentícia. Muitas pessoas possuem dificuldades em promover o cálculo da pensão fixada pelo salário-mínimo.

Por todas essas razões, as orientações e o aconselhamento dos nossos advogados de família são essenciais para que todo o processo de separação e acordo, não tenha somente garantia de sucesso, mas também que seja menos desgastante e estressante.

Todos os advogados da Advocacia Leite são especialistas em mediações, de forma que passem confiança aos seus clientes. Principalmente quando se trata de direito de família, onde todas as suas informações pessoais serão passadas ao profissional.

Nossos advogados representarão os seus interesses e os interesses das crianças envolvidas no processo. Nosso objetivo é resolver seu caso da forma mais prática e rápida possível, te auxiliando nas negociações de uma possível proposta com a parte contrária, entre em contato e agende uma consultoria especializada!

N o seis, vamos para Mil o qualquer maneira central eminflex, esc lia bar mas htc casa, ent, o bom ismo ecomondo Utilit, rio, l, Formato, baixo, pedra de amolar de novo, Arianna n, o auto m ximo, formal s, podemos usado, ol, inversor, cora, o ol anna bater Parada exposi es encantado de concerto, ou encantado de corato, ouvindo unhas; no, a l, resposta rs e tu nuestro curso do primeiros cursos degraus com, pt, nuestra, p, gina, OH MEU, DEUS vencedor, v, deo simples, pintar, x3 ex como .


Conseguimos, assim, entender que cada entidade familiar pode ter integrantes distintos, como por exemplo:

uma família constituída pela avó e seus netos; outra exclusivamente por irmãos, outra por mãe e filhos socioafetivos; ou, ainda, por um casal homoafetivo.

A formação de uma família, a sua modificação após um divórcio ou dissolução de união estável, o nascimento de filhos e até mesmo o envelhecimento dos pais geram direitos e deveres para todos os envolvidos.

Namoro

O QUE É UM NAMORO?

É um relacionamento sério, mas o casal ainda não possui e nem demonstra para a sociedade a intenção de firmar laços familiares e constituir família;

DURANTE O PERÍODO DE DISTANCIAMENTO SOCIAL OCASIONADO PELA PANDEMIA DO COVID-19 MUITOS CASAIS PASSARAM A MORAR JUNTOS. ESSE PERÍODO SERIA SUFICIENTE PARA CONSIDERAR A CONSTITUIÇÃO DE UMA UNIÃO ESTÁVEL?

De certo que não, pois a união estável requer a vontade de constituir família, manifestada pelo casal para parentes, amigos e conhecidos (através de fotos, da presença do casal em eventos familiares, do cuidado entre eles, por exemplo) e nem sempre se exige que esse casal esteja se relacionando há muito tempo ou que more junto;

EXISTE ALGUMA FORMA E PROTEGER OS NAMORADOS DE UM FUTURO PEDIDO DE RECONHECIMENTO DE UNIÃO ESTÁVEL, QUANDO O RELACIONAMENTO ACABAR?

Quando os namorados desejam permanecer um relacionamento sério, mas que não acarrete o reconhecimento de uma união estável, eles precisam estabelecer vidas próprias e independentes. Assim, se não pretendem conviver numa comunhão de vida, eles devem, por exemplo, manter contas bancárias e investimentos individuais; não adquirir bens e serviços em conjunto; não estabelecer qualquer dependência financeira entre eles; entre outras situações.

O contrato de namoro pode servir para que as partes protejam seus direitos em caso de um futuro rompimento;

O QUE É UM CONTRATO DE NAMORO?

É um documento particular ou elaborado em Cartório de Notas pelas partes, de preferência, mas não obrigatoriamente, na presença de advogados, que expressa a intenção do casal de não constituir família. Nesse documento deve constar expressamente que o relacionamento amoroso das partes não tem como objetivo a constituição de uma entidade familiar, impedindo, em regra, eventual reconhecimento de união estável. No entanto, se após a assinatura desse contrato o casal se manifestar de forma diversa, ou seja, se demonstrarem entre eles e perante a sociedade que querem sim constituir família, esse contrato poderá perder sua eficácia.

Noivado

O QUE É UM NOIVADO ?

Trata-se de um compromisso moral e social firmado entre um casal de namorados e significa a intenção de casamento futuro deles. Esse compromisso, no entanto, pode ser desfeito a qualquer tempo.

Mesmo que os noivos (ou nubentes) decidam morar juntos antes do casamento, tal fato não implica que necessariamente já estejam em união estável, pois nem sempre eles estão atuando como companheiros;

SE O NOIVADO FOR ROMPIDO, O QUE O CASAL DEVE FAZER COM OS PRESENTES QUE RECEBERAM NESSE PERÍODO?

Os artigos 546 e 547 do Código Civil indicam que os presentes dados pelos nubentes (noivos) entre si, ou por terceiro a um deles, a ambos, ou, ainda, aos filhos que, de futuro, tiverem um do outro, poderão ser requeridos de volta por quem presenteou;

SE UM DOS NOIVOS PRETENDE ROMPER O NOIVADO, ELE DEVERÁ PAGAR INDENIZAÇÃO AO(À) PARCEIRO(A) ABANDONADO(A)?

É inegável que a dor e o sofrimento gerados por um rompimento imotivado de relacionamento são intensos e profundos, mas essa quebra de compromisso gera, em regra, somente indenização pelos prejuízos materiais havidos para preparação do casamento (despesas com a celebração, com a lua-de-mel, com o novo lar, etc.). Em menor frequência, é possível obter através de um processo indenização por danos morais quando houver alguma atitude abusiva daquele de rompeu o noivado (por exemplo, quando a desistência do casamento ocorrer no momento da celebração ou poucos dias antes dela; ou em razão de uma traição).

Casamento

A Constituição Federal de 1988 assegura o direito à igualdade e estabelece como objetivo fundamental do Estado promover o bem de todos, sem preconceito de sexo (art. 3º, IV); ressalta a igualdade entre homens e mulheres, em direitos e obrigações (art. 5º, I); e afirma que os direitos e deveres referentes à sociedade conjugal são exercidos igualmente pelo homem e pela mulher (art. 226, § 5º).

O Código Civil de 2002, por sua vez, indica que “o casamento estabelece comunhão plena de vida, com base na igualdade de direitos e deveres dos cônjuges” (art. 1.511); e prevê que “homem e mulher assumem mutuamente a condição de consortes, companheiros e responsáveis pelos encargos da família” (art. 1.565).

A FAMÍLIA DE UMA PESSOA PODE DECIDIR COM QUEM ELA IRÁ SE CASAR?

Não, a família pode apenas orientar e dar conselhos, pois o casamento é um ato pessoal e só a pessoa pode escolher com quem irá se casar;

UMA PESSOA MENOR DE 18 ANOS DE IDADE PODE SE CASAR?

Em regra, os menores de 18 anos não podem se casar. No entanto, os adolescentes entre 16 e 18 anos poderão se casar somente com autorização de seus pais ou responsáveis;

HÁ PESSOAS QUE ESTÃO PROIBIDAS DE SE CASAR?

Sim, o art. 1.521 do Código Civil indica que não pode ocorrer o casamento:

(1) entre pais e filhos, seja essa filiação de origem biológica, socioafetiva ou por adoção;

(2) entre avós e netos; entre sogros/sogras e noras/genros;

(3) entre os pais e ex-cônjuge do filho adotivo; entre o filho adotivo com os excônjuges dos pais;

(4) os irmãos, sejam de mesmos pais ou pais diferentes; entre a pessoa e seus tios;

(5) entre os irmãos de sangue ou adotivos;

(6) as pessoas já casadas;

(7) a pessoa com o(a) condenado(a) por homicídio ou tentativa de homicídio contra o seu esposo/esposa;

A VIRGINDADE DE UM HOMEM OU DE UMA MULHER INFLUENCIA NO CASAMENTO?

Não. O casamento não pode mais ser anulado em razão da ausência de virgindade de um dos nubentes;

QUAIS SÃO OS DEVERES DE UM PARA COM O OUTRO CÔNJUGE?

O Código Civil impõe (art. 1.566):

(1) fidelidade recíproca;

(2) vida em comum;

(3) mútua assistência;

(4) sustento, guarda e educação dos filhos; e

(5) respeito e consideração mútuos;

OS CÔNJUGES DEVEM VIVER SEMPRE JUNTOS, SOB O MESMO TETO?

Não necessariamente. Com o casamento, o casal passa a ter uma vida em comum, mas a maneira como essa vida em comum será organizada depende da decisão conjunta dos cônjuges;

O CASAMENTO RELIGIOSO SUBSTITUI O CASAMENTO CIVIL?

Apesar de o Brasil ser um Estado laico (ou seja, não se vincula a qualquer ordem religiosa), a própria Constituição Federal de 1988 admite emprestar efeitos civis aos casamentos religiosos (art. 226, § 2º). Basta o atendimento dos requisitos legais (arts. 1.515 e 1.516 do Código Civil) para o matrimônio religioso ter a mesma eficácia do casamento civil desde a sua celebração (art. 1.515 do Código Civil). A validade civil do casamento religioso pode ser requerida a qualquer tempo, desde que haja sua:

(1) habilitação – que pode ser feita antes ou depois do ato de celebração; e

(2) inscrição no Registro Civil das Pessoas Naturais (arts. 71 e 74 da Lei de Registros Públicos).

Caso o casamento religioso seja anulado, tal situação não afetará a validade do casamento civil, se ocorrido o referido registro antes de sua anulação pela ordem religiosa. E, se entre o casamento religioso e o respectivo registro um dos nubentes casar-se no civil com outra pessoa, haverá impedimento para efetuar o registro do ato religioso (art. 1.516, § 3º, do Código Civil).

O QUE É PACTO ANTENUPCIAL?

É um contrato, feito por escritura pública, por meio do qual os noivos indicam ao Estado e à sociedade o modo que vão levar seu casamento, principalmente quanto ao regime jurídico que irá reger o patrimônio do casal durante o matrimônio e mesmo após sua dissolução (arts. 1.653 e seguintes do Código Civil). Esse pacto pode ser alterado durante o casamento (art. 1.639, § 2º, do Código Civil) por vontade das partes.

  A NOIVA É OBRIGADA A INCLUIR O SOBRENOME DO NOIVO AO SEU NOME QUANDO ELES SE CASAREM?

Além de não mais se tratar de uma obrigação desde a Lei do Divórcio (Lei nº 6.515/1977), o Código Civil de 2002 (Lei nº 10.406/2002) trouxe também a possibilidade de qualquer dos nubentes, querendo, acrescer ao seu o sobrenome do outro (art. 1.565, § 1º). Essa inclusão normalmente ocorre quando o casal comparece ao cartório de registro civil para requerer a habilitação do casamento, mas pode ser solicitada posteriormente, via processo judicial, com a devida justificativa para tanto.

EXISTE ALGUM TIPO DE CASAMENTO “À DISTÂNCIA”?

Sim, o Código Civil indica a possibilidade de realização de um casamento por procuração (art. 1.542), ou seja, um dos nubentes, ou mesmo ambos, por alguma razão maior, não podem se fazer presente no ato da celebração do matrimônio, mas é representado por um procurador (ou mandatário).

Além dessa hipótese, ao menos durante o período de distanciamento social ocasionado pela pandemia do Covid-19, alguns Estados, como Amazonas (Provimento 348/20), Alagoas (Provimento 15/20), Bahia (Provimento 13/20), Goiás (Provimento 41/20), Minas Gerais (Provimento 1.022/20) e Mato Grosso do Sul (Provimento 7/21), receberam das Corregedorias de seus respectivos Tribunais de Justiça autorização para celebração de casamentos via videoconferência.

QUAIS SÃO OS TIPOS DE REGIME DE BENS QUE OS NUBENTES (NOIVOS) PODEM ESCOLHER?

São eles:

  • comunhão universal de bens: os bens e direitos particulares de ambos e aqueles adquiridos na constância do casamento, antes e depois da união, integram o patrimônio do casal;
  • comunhão parcial de bens (é a regra no Brasil, tratando-se do regime que vigora quando o casal não escolhe expressamente por qualquer outro durante a habilitação do casamento): somente integram o patrimônio do casal os bens e direitos adquiridos durante a constância do casamento, os bens e direitos anteriores são considerados particulares e não integram o acervo do casal;

(3)     participação final nos aquestos: durante a união, cada cônjuge possui patrimônio próprio, e à época da dissolução do matrimonio, caberá a cada um a metade dos bens adquiridos pelo casal, a título oneroso, na constância do casamento;

(4)     separação obrigatória de bens (porque é imposta nas hipóteses previstas no art. 1.641 do Código Civil): por força da Súmula 377 do STF, integram o patrimônio do casal os bens e direitos adquiridos durante a constância do casamento; e

(5)     separação convencional de bens (as partes voluntariamente assim convencionaram, sem imposição da lei): em regra, cada cônjuge possui patrimônio próprio, antes, durante e depois do casamento.

QUAIS SÃO AS HIPÓTESES PARA QUE O CASAMENTO SÓ POSSA OCORRER SOB O REGIME DA SEPARAÇÃO OBRIGATÓRIA DE BENS?

São elas:

(1) das pessoas que contraírem casamento sem respeitar as causas suspensivas da celebração do casamento, previstas no artigo 1.523 do Código Civil;

(2) da pessoa maior de 70 (setenta) anos; e

(3) de todos os que dependerem, para casar-se, de suprimento judicial; São elas:

(1) das pessoas que contraírem casamento sem respeitar as causas suspensivas da celebração do casamento, previstas no artigo 1.523 do Código Civil;

(2) da pessoa maior de 70 (setenta) anos; e

(3) de todos os que dependerem, para casar-se, de suprimento judicial;

AS PESSOAS CASADAS SÃO OBRIGADAS A OBTER AUTORIZAÇÃO UMA DA OUTRA ANTES DE TOMAR UMA DECISÃO IMPORTANTE?

Sim, em alguns casos. Isso ocorre, por exemplo, na venda de um terreno ou imóvel do casal. Eles devem obter tal autorização também antes de dar fiança a outra pessoa, que acontece quando uma das partes do casal se compromete a pagar uma dívida de outra pessoa, caso ela não pague;

APÓS O CASAMENTO, OS CÔNJUGES PODEM ALTERAR O REGIME DE BENS QUE ESCOLHERAM NA OCASIÃO DA FORMALIZAÇÃO DO CASAMENTO?

Sim, essa alteração deve ser feita via processo judicial, de comum acordo e justificado (art.1.639, § 2º, do Código Civil);

União estável

A partir da Constituição Federal de 1988, da mesma forma que o casamento, a união não formalizada passou a receber o termo genérico: entidade familiar. Por isso, devemos considerar que não há hierarquia entre casamento e união estável.

QUAIS SÃO OS REQUISITOS PARA CONFIGURAÇÃO DA UNIÃO ESTÁVEL?

(1)     convivência pública;

(2)     convivência contínua;

(3)     convivência duradoura;

(4)     objetivo de constituição de família;

E O CASAL PRECISA MORAR JUNTO? E POR QUANTO TEMPO?

Para configuração de união estável não é necessário que o casal more junto ou mesmo que exista um tempo mínimo de relacionamento. No entanto, para determinados órgãos públicos, como o INSS, há sim a necessidade de comprovação de um tempo mínimo de união estável;

QUAIS SÃO OS DIREITOS E DEVERES NA UNIÃO ESTÁVEL?

Aos companheiros são estabelecidos deveres de lealdade, respeito e assistência (art. 1.724 do Código Civil). Além desses, assim como casamento, há a obrigação de guarda, sustento e educação dos filhos;

QUAL É O REGIME DE BENS DA UNIÃO ESTÁVEL?

Assim como no casamento, para que o regime de bens da união estável não seja a comunhão parcial dos bens, os conviventes deverão firmar um contrato de convivência ou uma escritura pública, estipulando outro regime;

O REGIME DE BENS ESCOLHIDO PELOS COMPANHEIROS EM CONTRATO DE CONVIVÊNCIA PODE SER ALTAERADO?

Sim, o contrato de convivência pode ser alterado a qualquer tempo, por instrumento público ou particular e sem necessidade de expor o motivo. Não existe qualquer restrição legal, mas o STJ não admite a concessão de efeito retroativo à modificação, sob pena de conferir mais benefício à união estável do que ao casamento;

UM COMPANHEIRO PODE ADOTAR O SOBRENOME DO OUTRO NA UNIÃO ESTÁVEL?

Sim, na união estável qualquer dos companheiros pode adotar o nome do outro. Uma decisão do STJ (REsp 1306196/MG) reconheceu esse direito em uma união estável, mas exigiu prova documental da união, por escritura pública, com a expressa concordância do companheiro cujo nome será adotado pelo outro;

OS CASAIS HOMOAFETIVOS PODEM CONSTITUIR UMA UNIÃO ESTÁVEL?

Como já esclarecido, ainda não existe uma lei que regulamente o casamento civil e a união estável entre pessoas do mesmo sexo, mas os Tribunais passaram a admitir, em favor dos companheiros homoafetivos, a aplicação das regras da união estável;

  GOSTARIA DE ROMPER A UNIÃO ESTÁVEL QUE TENHO COM MEU(MINHA) COMPANHEIRO(A) E FAZER A PARTILHA DOS BENS QUE ADQUIRIMOS DURANTE ESSA UNIÃO, MAS ELE(A) NÃO ACEITA A PARTILHA, DIZENDO QUE OS BENS SÃO SOMENTE DELE(A). O QUE POSSO FAZER?

A parte interessada poderá ajuizar uma ação judicial de reconhecimento e dissolução de união estável. Nesse processo, deverão ser apresentadas provas do início da suposta união estável, e dos bens que se pretendem partilhar e, se ficar comprovada essa situação, o juiz declarará o início e o término dessa relação, e fará a partilha de bens nos termos da lei;

O QUE SE DEVE APRESENTAR PARA PROVAR AO JUIZ QUE OCORREU A UNIÃO ESTÁVEL?

Deve-se apresentar: cartas/e-mails/mensagens trocadas entre os companheiros; fotos que mostrem vocês juntos, ou com os filhos, ou com parentes do(a) companheiro(a), em aniversários, em viagens, etc.; o registro de filhos; documentos de imóveis ou coisas compradas em conjunto; boletos indicando o endereço do casal; testemunhas; entre outros.

Filhos

Os direitos de crianças, adolescentes e jovens também são considerados fundamentais, mesmo não indicados expressamente dessa forma na Constituição Federal de 1988. A CF/88 dispõe a proteção integral e a igualdade no âmbito das relações paterno-filiais, ao serem assegurados aos filhos os mesmos direitos e qualificações e vedadas designações discriminatórias.

Um detalhe: a palavra “filho” não comporta mais nenhum adjetivo, ou seja, não mais cabe falar em filhos legítimos, ilegítimos, naturais, incestuosos, espúrios, bastardos ou adotivos.

FILHO É SIMPLESMENTE “FILHO”.

Poder familiar

O poder familiar pode ser definido como o conjunto de direitos e obrigações que os pais possuem em relação aos seus filhos menores e não emancipados e aos seus bens, devendo atuar para atender aos interesses deles.

QUEM EXERCE O PODER FAMILIAR?

Em regra, o poder familiar é exercido pelos pais, independentemente do gênero, os quais não podem abdicar e nem o delegar a terceiros. Além disso, ele decorre tanto da paternidade natural, da adoção, da filiação legal e da socioafetiva (que será explicada adiante). Ela também pode ser exercida por tutores, quando determinado por um juiz;

O RELACIONAMENTO AMOROSO DOS PAIS IMPORTA PARA QUE ELES EXERÇAM O PODER FAMILIAR?

O poder familiar se inicia com o nascimento da criança, não sendo relevante o tipo de relacionamento dos pais para o seu exercício;

HÁ HIERARQUIA ENTRE AQUELES QUE DETÉM O PODER FAMILIAR SOBRE O FILHO?

O exercício desse poder deve ocorrer de forma igualitária, não havendo predomínio da vontade de um deles sobre o menor, e, havendo discordância, poderão recorrer ao Judiciário. O poder familiar pode ser exercido por apenas uma pessoa no caso de falecimento ou destituição do outro, ou então, quando não há reconhecimento da filiação;

QUAIS SÃO AS OBRIGAÇÕES DE QUEM DETÉM PODER FAMILIAR SOBRE OS FILHOS?

Cabe aos pais (ou tutores) o dever de sustentar, guardar, cuidar, proteger e educar seus filhos (ou tutelados), assim como administrar seus bens. Também caberá aos pais (e tutores) representar seus filhos (e tutelados) perante órgãos públicos e privados, quando necessário;

A SEPARAÇÃO OU O DIVÓRCIO DOS PAIS ALTERA O PODER FAMILIAR QUE ELES DETÊM SOBRE OS FILHOS EM COMUM?

Não, poder familiar é diferente de guarda. E a guarda será melhor detalhada adiante;

O PODER FAMILIAR PODE ACABAR/DESAPARECER?

Sim, pela morte dos pais, do tutor ou do filho, pela emancipação ou maioridade do menor ou por decisão judicial, devido ao abandono, castigos imoderados e por condutas imorais (art. 1.637 do Código Civil). A adoção também extingue o poder familiar dos pais naturais ao transferi-lo para o adotante;

EXISTE CASO DE SUSPENSÃO DO PODER FAMILIAR?

Sim, poder familiar também pode ser suspenso por um período devido à existência de situações que podem prejudicar o menor, como nos casos de abuso de autoridade (art. 1.637 do Código Civil).

Separação e divórcio

A partir da Emenda Constitucional 66/2010, que modificou o § 6º do art. 226 da Constituição Federal de 1988, para que um casal se divorcie, não é mais necessário que passe previamente pela fase da separação judicial ou mesmo separação de fato. A culpa pelo rompimento do matrimônio também deixou de ser exigência, pois qualquer cônjuge pode pedir a extinção do seu casamento através do divórcio sem qualquer motivo maior que justifique sua vontade.

O QUE É SEPARAÇÃO DE FATO?

A separação de fato acontece quando o casal não está mais vivendo junto, e não se relaciona mais amorosamente. Ou seja, como se diz, o casal permanece “casado só no papel”.

Importante observar: mesmo que ainda estejam oficialmente unidos, não serão partilhados os bens que foram adquiridos após a separação de fato de um casal;

ESTOU SEPARADO DE FATO DO MEU CÔNJUGE. POSSO ME CASAR NOVAMENTE?

Como não houve a dissolução oficial do primeiro casamento, até que seja formalizado esse divórcio, o segundo casamento não ocorrerá, em razão de seu impedimento legal (art. 1.521, VI, do Código Civil);

ESTOU SEPARADO DE FATO DO MEU CÔNJUGE. POSSO CONSTITUIR UMA UNIÃO ESTÁVEL?

Nesse caso, como a união estável é uma situação que se constata pelos fatos (pelo cotidiano) e não em razão de uma formalização, essa união estável poderá ser constituída;

  ESTOU SEPARADO(A) JUDICIALMENTE DO MEU CÔNJUGE. POSSO ME CASAR NOVAMENTE?

Como a separação judicial não põe fim a um casamento, a pessoa separada não poderá se casar novamente até obter o divórcio no primeiro matrimônio;

  ESTOU SEPARADO(A) JUDICIALMENTE. POSSO CONSTITUIR UMA UNIÃO ESTÁVEL?

Também nesse caso, como a união estável é uma situação que se constata pelos fatos (pelo cotidiano) e não em razão de uma formalização, essa união estável poderá ser constituída;

ESTOU DIVORCIADO(A). POSSO ME CASAR NOVAMENTE?

Não há impedimento para esse casamento, mas se a pessoa divorciada não obteve a homologação ou decisão sobre partilha de bens do primeiro casamento, o regime de bens desse segundo matrimonio será a separação legal (ou obrigatória) de bens;

ESTOU DIVORCIADO(A). POSSO CONSTITUIR UMA UNIÃO ESTÁVEL? Sim, não há nenhuma oposição à essa nova constituição de entidade familiar;

O QUE É SEPARAÇÃO DE CORPOS?

É uma separação decidida pelo juiz, em que fica acertado que o casal não viverá mais junto. Essa medida tanto pode servir para que um dos cônjuges obtenha autorização para saída do lar conjugal como para determinar que um deles seja obrigado a se retirar. A separação de corpos é pedida como uma proteção às pessoas, quando por exemplo, o marido bate na mulher, ou quando acontece o contrário;

QUAL A DIFERENÇA ENTRE SEPARAÇÃO JUDICIAL E DIVÓRCIO?

A separação judicial pode ser considerada uma etapa anterior ao divórcio. Com a separação ou o divórcio, os membros do casal não precisam mais manter os deveres do casamento, como de morar na mesma casa ou serem fiéis. O divórcio, por sua vez, é o rompimento definitivo do casamento;

COMO FICA O NOME DA PESSOA QUE INCLUIU SOBRENOME DO EXMARIDO OU DA EX-MULHER QUANDO SE CASARAM?

A pessoa que optou por adicionar o nome do(a) ex-cônjuge poderá manter ou retirar esse sobrenome caso se divorciem. Através de uma ação judicial alguns os Tribunais já aceitaram a exclusão desse sobrenome após o divórcio;

CASO QUEIRAM SE RECONCILIAR, AS PESSOAS QUE ESTÃO SEPARADAS JUDICIALMENTE PODERÃO SER CONSIDERADAS CASADAS NOVAMENTE?

Sim, as pessoas que estão separadas judicialmente podem voltar a serem casadas, já que a separação judicial não encerra definitivamente o casamento;

E NO CASO DO DIVÓRCIO DIRETO, SE OS ENVOLVIDOS DECIDIREM SE RECONCILIAR, PODERÃO SER CONSIDERADOS CASADOS NOVAMENTE?

Não, o divórcio encerra o casamento e, desta forma, se o casal se arrependeu, terá de se casar novamente;

POR QUE NÃO É POSSÍVEL DESCOMPLICAR AS COISAS E SE DIVORCIAR NA HORA MESMO?

Atualmente, o tempo para realização de um divórcio reduziu muito, mas alguns prazos, como o de análise dos pedidos e dos documentos apresentados no processo, principalmente se o casal tiver filhos menores, ainda são importantes para assegurar que erros não sejam cometidos. Se o casal não possuir filhos menores e tiver condições de arcar com despesas, poderá contratar um advogado e realizar o divórcio em uma Serventia Extrajudicial de Notas, através de uma escritura pública, o que também pode reduzir o tempo para decretação do divórcio;

NO DIVÓRCIO, COMO SERÁ A PARTILHA DOS BENS DO CASAL?

(1)     No casamento firmado sob o regime de comunhão universal de bens, os bens adquiridos pelo casal antes e depois do matrimonio serão divididos em metades para cada um deles;

(2)     No casamento firmado sob o regime da comunhão parcial de bens, somente os bens que foram adquiridos durante o matrimonio serão divididos em metade para cada um deles;

(3)     No casamento firmado sob o regime da separação (total ou obrigatória) de bens, os bens adquiridos durante o matrimonio não serão divididos entre o casal, e cada deles um ficará com o que comprou ou ganhou sozinho;

(4)     No casamento firmado sob o regime da participação final nos aquestos, somente os bens que foram adquiridos em conjunto pelo casal durante o matrimonio serão divididos em metade para cada um deles, mas alguns desses bens estarão sujeitos a um desconto caso a caso, conforme a proporção que cada um deles contribuiu para a aquisição desse bem;

SE UM DOS CÔNJUGES NÃO TRABALHOU FORA, OU TRABALHOU POR POUCO TEMPO, ELE TAMBÉM TERÁ DIREITO À MEAÇÃO (METADE DOS BENS)?

Sim, nos casamentos firmados sob o regime de comunhão total de bens ou sob o regime da comunhão parcial essa pessoa terá direito à meação (conforme as regras de cada um desses regime de bens), mesmo que nunca tenha trabalhado durante o matrimônio;

  AS DÍVIDAS CONTRAÍDAS POR UMA PESSOA DURANTE O CASAMENTO PODEM SER DIVIDIDAS COM O OUTRO CÔNJUGE NO DIVÓRCIO?

Sim, desde que essa dívida tenha sido contraída em benefício do casal, como por exemplo, um empréstimo bancário para pagar despesas domésticas, ou um financiamento de um eletrodoméstico, entre outros.

SE O CÔNJUGE TIVER DÍVIDAS, O OUTRO PODERÁ SER RESPONSÁVEL POR PAGÁ-LAS DEPOIS DO DIVÓRCIO?

Só se as dívidas foram feitas em benefício da família e não foram resolvidas no divórcio. Essa situação também se aplica à união estável.

E NO CASO DE UNIÃO ESTÁVEL, COMO SERÁ A PARTILHA DOS BENS DOS CONVIVENTES?

Se a união estável não consta em qualquer contrato de convivência ou escritura pública, ou mesmo, se nesses documentos não ficar estipulado o regime de bens que regulamenta essa união, vigorará a comunhão parcial de bens. Assim, os bens adquiridos pelo casal durante a união serão divididos em metade para cada um deles. Agora, se os conviventes estipularam em documento (contrato ou escritura) um regime de bens diverso para essa união, as regras da partilha deverão seguir o que ficou estipulado entre eles;

O QUE É USUCAPIÃO FAMILIAR? QUANDO ELE É GARANTIDO POR LEI?

Se um dos cônjuges ou companheiros abandonou sua família e o lar conjugal por mais de dois anos e nesse período não requereu judicialmente sua separação de corpos, seu divórcio ou extinção de união estável, o cônjuge ou companheiro abandonado pode pedir na justiça que o imóvel do casal passe a ser de propriedade exclusiva dele.

Alimentos

A palavra “alimentos”, para o Direito, compreende tudo aquilo que uma pessoa precisa para viver dignamente: gêneros alimentícios, habitação, vestuário, remédios, educação, lazer, enfim, tudo o que uma pessoa precisa para garantir sua subsistência.

A pensão alimentícia é uma consequência das relações de parentesco. Quando os pais não forem casados ou companheiros, deverão contribuir proporcionalmente de acordo com suas possibilidades para o sustento dos filhos em comum.

Quando o valor da pensão não for suficiente para o sustento do filho, os avós, se puderem, terão de complementar o valor da pensão dos seus netos, desde que menores ou maiores que não possam trabalhar em razão de doença grave.

Por outro lado, os filhos também têm que pagar pensão aos seus pais, quando eles não tiverem dinheiro para sobreviver.

Existe, também, a pensão entre irmãos. O irmão (menor ou incapaz para o trabalho) que não tiver como sobreviver pode pedir pensão ao irmão que está em melhores condições financeiras, mesmo que sejam irmãos só por parte da mãe ou só de pai.

Por fim, cônjuges ou companheiros também podem pedir pensão ao parceiro na ocasião do divórcio ou dissolução da união estável, se for comprovado que existe dependência financeira daquele para com esse.

Esse dever decorre do princípio da solidariedade.

AINDA É CABÍVEL PENSÃO ALIMENTÍCIA PARA CÔNJUGE OU COMPANHEIRO EM CASO DE DIVÓRCIO OU DISSOLUÇÃO DE UNIÃO ESTÁVEL?

Sim, se o ex-cônjuge ou ex-companheiro, seja ele homem ou mulher, demonstrar que não tem como se sustentar sozinho após o divórcio ou dissolução de união estável, terá direito à pensão alimentícia pelo outro excônjuge ou ex-companheiro. Atualmente, a regra para esse tipo de obrigação é que ela seja fixada em caráter excepcional e temporário.

SE UMA PESSOA DIVORCIADA ESTÁ RECEBENDO PENSÃO ALIMENTÍCIA DO SEU EX-CÔNJUGE SE CASAR NOVAMENTE COM OUTRA PESSOA, ELA TERÁ DIREITO DE MANTER O RECEBIMENTO DESSA PENSÃO ALIMENTÍCIA?

Não, se a pessoa que estava recebendo pensão alimentícia se casar com outra pessoa, o ex-cônjuge que tinha a obrigação de pagar a pensão não precisará mais pagar. Fica entendido que quem recebe a pensão formou uma nova família, e não precisa mais da pensão do ex-cônjuge.

O CÔNJUGE OU COMPANHEIRO QUE CAUSOU O ROMPIMENTO DO CASAMENTO OU DA UNIÃO ESTÁVEL EM RAZÃO DE UMA TRAIÇÃO TERÁ DIREITO A RECEBER PENSÃO ALIMENTÍCIA DO CÔNJUGE OU COMPANHEIRO TRAÍDO?

Desde 2010, não é mais relevante para um divórcio ou dissolução de união estável saber quem foi o culpado pelo fim do relacionamento. Para a fixação de pensão alimentícia, no entanto, dependendo da maneira como essa infidelidade aconteceu, os Tribunais podem negar a concessão da pensão, ou reduzi-la ao mínimo necessário para a subsistência do ex-cônjuge infiel. Isso porque deve-se equilibrar as necessidades da pessoa que precisa de alimentos com aquela que teve sua honra e reputação feridas pela traição.

UMA SENHORA IDOSA, QUE SE DEDICOU A VIDA TODA AOS CUIDADOS DO LAR, DOS FILHOS E DO MARIDO, E QUE DEIXOU DE ESTUDAR E CARREGA DIVERSAS COMORBIDADES, TERÁ DIREITO À PENSÃO ALIMENTÍCIA DO MARIDO CASO DECIDA DIVORCIAR-SE DELE APÓS LONGAS DÉCADAS DE CASAMENTO? E POR QUANTO TEMPO RECEBERÁ ESSA PENSÃO?

Sim, essa senhora poderá requerer pensão alimentícia do seu marido na ocasião do divórcio, devendo demonstrar sua necessidade e a possibilidade de seu marido arcar com essa pensão. Atualmente, a regra para pensionamento aos ex-cônjuges ou ex-companheiros é que essa obrigação seja fixada em caráter excepcional e temporário, mas se nesse caso essa senhora comprovar que não consegue se recolocar no mercado de trabalho em razão da sua idade, da sua condição física e/ou ausência de instrução, o juiz poderá atribuir a ela uma pensão vitalícia.

O QUE SÃO ALIMENTOS GRAVÍDICOS?

É a pensão destinada à mulher gestante para custear as despesas da gestação, desde a concepção ao parto, inclusive aquelas referentes à alimentação especial, assistência médica e psicológica, exames complementares, internações, medicamentos e demais prescrições preventivas e terapêuticas indispensáveis, a juízo do médico, além de outras a que o juiz considere pertinentes. Tais alimentos devem compreender os valores suficientes para garantir a sobrevivência do feto.

Embora seja esse o direito da gestante, o valor dessa pensão alimentícia também deverá ser compatível com as possibilidades do suposto pai do nascituro;

O QUE ACONTECERÁ COM OS ALIMENTOS GRAVÍDICOS APÓS O NASCIMENTO COM VIDA DO BEBÊ?

Após o nascimento com vida os alimentos gravídicos se converterão em pensão alimentícia em favor do menor;

O QUE SÃO “ALIMENTOS DE BALCÃO”?

É o pedido de alimentos formulado pelo credor diretamente, sem assistência de advogado;

A PENSÃO DEVE SER SEMPRE PAGA EM DINHEIRO?

Não, o valor em dinheiro pode ser substituído pela manutenção da casa e sustento da família. Mas isto só pode acontecer se quem tem direito a receber a pensão concordar;

O VALOR DA PENSÃO PODE SER MODIFICADO?

Sim, desde que tenha existido uma mudança na vida de quem paga (exemplo: perder o emprego), ou de quem recebe (exemplo: gastos com despesas extras);

QUAL DEVER SER O VALOR DA PENSÃO ALIMENTÍCIA?

O juiz, ao determinar o valor da pensão alimentícia, leva em consideração o quanto o alimentado precisa para atender suas necessidades e quanto o alimentante pode pagar. A pensão pode variar entre 10% e 30% dos rendimentos do alimentante, mas não existe um valor determinado por lei. Nos casos em que o alimentante é funcionário público ou trabalha com carteira de trabalho registrada, a pensão pode ser descontada diretamente pelo empregador. E, para cobrar a pensão de quem não tem salário fixo, o juiz leva em conta os rendimentos da pessoa (se tem casa, carro, telefone, terreno e outros);

QUANDO MEU FILHO COMPLETAR 18 ANOS POSSO PARAR DE PAGAR A PENSÃO ALIMENTÍCIA DELE IMEDIATAMENTE?

Não, a pensão alimentícia somente se extingue de imediato se assim estiver estipulado no acordo ou sentença judicial. Do contrário, para pôr fim ao pagamento de pensão alimentícia, será necessário o ajuizamento de ação de exoneração de alimentos pelo alimentante, independentemente da idade do filho;

ATÉ QUANDO DURA A OBRIGAÇÃO DE PAGAR PENSÃO PARA O FILHO?

Não existe uma idade exata que determine o fim do pagamento da pensão. Para que o pai ou a mãe fiquem desobrigados de pagá-la, deve-se comprovar que os filhos já têm condições de se sustentarem sozinhos. Exemplo: se o (a) filho (a) é já é maior de idade, mas continua estudando e, por conta disto, não consegue trabalhar, ainda tem direito de receber a pensão.

QUANTAS PRESTAÇÕES DE PENSÃO ATRASADA QUE DEVO AGUARDAR PARA AJUIZAR UMA EXECUÇÃO DE ALIMENTOS?

Depende da forma pela qual se deseja cobrar a pensão. Se o método escolhido for a penhora de valores ou de bens, pode-se cobrar todas as pensões atrasadas. Mas, se o método escolhido for a de coerção (prisão civil), então, pode-se cobrar apenas os últimos três meses das pensões atrasadas. Nos dois métodos, a execução de alimentos pode ser proposta partir da primeira pensão atrasada.

POR QUANTO TEMPO UMA PESSOA PODE FICAR PRESA CASO NÃO PAGUE PENSÃO ALIMENTÍCIA DEVIDA?

A prisão civil será de um a três meses, a ser decretada pelo juiz se o devedor não apresentar justo motivo para não ter honrado com a pensão.

SE O DEVEDOR DE ALIMENTOS FOR PRESO E MESMO ASSIM NÃO CONSEGUIR PAGAR, ELE FICA PERDOADO DA DÍVIDA?

Não, a prisão serve para pressionar o devedor de alimentos a pagar o que deve. Se ele pagar, sairá da cadeia imediatamente. Mas se não pagar, sairá da cadeia no tempo máximo estipulado pelo juiz e a dívida continuará a ser cobrada. Mas, o devedor de alimentos não será preso novamente pela mesma dívida;

SÓ QUEM FOI CASADO OU TEVE UMA UNIÃO ESTÁVEL PODE PEDIR PENSÃO PARA O FILHO?

Não, a nossa lei não reconhece diferença entre filhos nascidos durante casamento ou fora dele. O que importa mesmo é ser filho do casal.

SE O FILHO NÃO FOR REGISTRADO PELO PAI, AINDA PODE PEDIR PENSÃO A ELE?

A obrigação de pagar a pensão ocorre por conta da relação de parentesco. Por isto, a relação tem que ser comprovada.

Então, o filho, representado ou assistido por sua mãe ou responsável legal, poderá propor uma ação judicial de reconhecimento de paternidade, e nessa ação fazer um pedido urgente para fixação de alimentos. A partir da determinação do juiz, seja no começo da ação, ou mesmo em sentença, é que o pai deverá pagar pensão alimentícia.

Guarda de filhos menores e convivência

Quando os pais não possuem relacionamento amoroso, ou nas hipóteses de divórcio ou dissolução de união estável, é necessária a fixação da guarda dos filhos menores e a regulamentação da convivência (antigamente chamada de “visita”) com o genitor que não residir com eles.

TRATA-SE DE UM DIREITO DOS FILHOS A CONVIVÊNCIA FAMILIAR, NÃO SOMENTE COM OS PAIS, MAS COM SEUS AVÓS E DEMAIS PARENTES.

COMO FICAM OS FILHOS QUANDO OCORRE O DIVÓRCIO OU DISSOLUÇÃO DE UNIÃO ESTÁVEL DOS SEUS PAIS?

Se esse divórcio ou dissolução de união estável ocorreu de forma consensual (amigável), quando o casal concorda com a separação, os dois decidirão com quem vão ficar os filhos. Mas se não há consenso, um juiz, após análise de psicólogos e assistentes sociais, decidirá com quem os filhos deverão ficar, e normalmente é com quem pode fornecer melhores cuidados, afeto e dedicação. De qualquer maneira, os dois pais precisarão contribuir com o sustento, cuidado, valores, desenvolvimento e educação dos filhos;

QUAIS SÃO OS PRINCIPAIS TIPOS DE GUARDA?

(1)     guarda compartilhada: é a modalidade preferencial do nosso sistema. Nesse tipo de guarda, não há exclusividade em seu exercício. Tanto o pai quanto a mãe detêm a guarda dos filhos e são corresponsáveis pela condução da vida deles. Apesar disso, é estipulada uma residência para os filhos e arbitrada pensão alimentícia em favor deles;

(2)     guarda unilateral: é a modalidade em que um dos pais detém exclusivamente a guarda, cabendo ao outro direito de convivência. O filho passa a morar no mesmo domicílio do seu guardião;

(3)     guarda alternada: modalidade comumente confundida com a compartilhada. Quando fixada, o pai e a mãe revezam períodos exclusivos de guarda, cabendo ao outro direito de visitas. Nessa modalidade há uma alternância na exclusividade da guarda, e o tempo de seu exercício dependerá da decisão judicial;

PODE HAVER A ALTERAÇÃO DA GUARDA?

Sim, as causas para modificação da guarda são analisadas caso a caso, cabendo ao juiz, mediante provocação de parente não guardião ou do Ministério Público, decidir com base no seu convencimento e, das provas juntadas aos autos, sobre a guarda da criança e/ou adolescente. Essa alteração sempre ocorrerá se comprovado efetivo benefício à criança ou ao adolescente;

ALGUÉM PODE TOMAR A GUARDA DO MEU FILHO?

Ninguém pode “tomar” a criança ou o adolescente dos pais (ou de quem detenha a sua guarda) sem ordem de um juiz. E, mesmo assim, é necessário que exista um processo, bem como motivos que levem o juiz a modificar a guarda do menor;

EU NÃO TENHO A GUARDA DO MEU FILHO E OUTRO GENITOR NÃO ME DEIXA VÊ-LO. O QUE DEVO FAZER?

Com a ajuda de um advogado, essa pessoa deverá comunicar ao juiz (que homologou ou decidiu sobre a guarda e convivência dessa criança ou adolescente) a violação ao que ficou estipulado para a convivência dele com o filho. É importante ressaltar que o atraso no pagamento da pensão alimentícia não impede a regular convivência do genitor devedor de pensão e seu filho;

EU TENHO A GUARDA DE MEU FILHO E O OUTRO GENITOR LEVOU A CRIANÇA PARA OUTRA CIDADE SEM MINHA AUTORIZAÇÃO. O QUE POSSO FAZER?

Quando as regras de convivência entre o filho menor e o genitor que não detém a guarda são descumpridas, poderá o genitor detentor da guarda pedir a criança “de volta”.

Neste caso, sob qualquer argumento, agiu mal o genitor que levou a criança para outra cidade sem a autorização do outro genitor. Ele poderá, por isso, com o auxílio de um advogado, promover as medidas necessárias para retomada do filho aos seus cuidados e a aplicação de consequências ao outro genitor por sua atitude;

O QUE É ALIENAÇÃO PARENTAL?

São comportamentos e atitudes promovidos ou induzidos por alguns pais ou mães, avôs ou avós, ou por aqueles que tenham uma criança ou adolescente sob sua autoridade, guarda ou vigilância, que geram a interferência na formação psicológica delas, para que repudie genitor ou que cause prejuízo ao estabelecimento ou à manutenção de vínculos com este;

QUAIS SÃO OS EXEMPLOS DE COMPORTAMENTOS E ATITUDES DE ALIENAÇÃO PARENTAL?

A Lei de Alienação Parental possui como exemplos:

(1)     realizar campanha de desqualificação da conduta do genitor no exercício da paternidade ou maternidade;

(2)     dificultar o exercício da autoridade parental;

(3)     dificultar contato de criança ou adolescente com genitor;

(4)     dificultar o exercício do direito regulamentado de convivência familiar;

(5)     omitir deliberadamente a genitor informações pessoais relevantes sobre a criança ou adolescente, inclusive escolares, médicas e alterações de endereço;

(6)     apresentar falsa denúncia contra genitor, contra familiares deste ou contra avós, para obstar ou dificultar a convivência deles com a criança ou adolescente;

(7)     mudar o domicílio para local distante, sem justificativa, visando a dificultar a convivência da criança ou adolescente com o outro genitor, com familiares deste ou com avós;

COMO IMPEDIR QUE TAIS COMPORTAMENTOS E ATITUDES DE ALIENAÇÃO PARENTAL PROSSIGAM?

Somente com a conscientização do genitor alienador é que esses comportamentos e atitudes cessarão por completo, mas o genitor alienado poderá ajuizar uma ação declaratória de alienação parental (ou formular esse pedido em alguma ação judicial envolvendo guarda e convivência dos filhos), para que sejam feitas as avaliações e provas necessárias para configuração da prática da alienação parental. Se o juiz constatar essa infeliz conduta, poderá aplicar algumas penalidades previstas em lei, como a aplicação de advertência, a alteração da guarda, a ampliação do regime de convivência, a aplicação de multa, entre outras.

Parentalidade socioafetiva

É uma forma de filiação civil que decorre do reconhecimento do afeto e da posse de estado de filho.

O QUE É “POSSE DE ESTADO DE FILHO?

Pode ser considerada posse de estado de filho quando:

(1)     há o tratamento, de parte à parte, como pai/mãe e filho; e/ou

(2)     a pessoa traz consigo o nome do apontado pai/mãe; e/ou

(3)     há reconhecimento pela família e pela comunidade de relação de filiação, que naturalmente deve apresentar-se de forma sólida e duradoura;

QUAIS SÃO OS CRITÉRIOS PARA RECONHECIMENTO DA PARENTALIDADE SOCIOAFETIVA?

Além da posse de estado de filho, em qualquer das hipóteses acima, é necessária também a vontade clara e inequívoca do apontado pai ou mãe socioafetivo de ser reconhecido(a), voluntária e juridicamente, como tal;

QUEM PODE REQUERER O RECONHECIMENTO DA PARENTALIDADE SOCIOAFETIVA?

Pessoas maiores de 18 anos, independentemente do estado civil, poderão reconhecer a paternidade e a maternidade socioafetiva, desde que sejam 16 anos mais velhas do que o filho a ser reconhecido, e não sejam seus irmãos ou ascendentes. Para tanto, basta que se dirijam a qualquer cartório de registro de pessoas naturais (ainda que diferente daquele em que lavrada a certidão de nascimento), na posse de seus documentos pessoais, sendo ainda necessária a concordância dos genitores registrais e o consentimento do filho, se maior de 12 anos de idade;

QUAIS OS DIREITOS E DEVERES DO FILHO SOCIOAFETIVO?

Serão os mesmos do filho biológico, ou seja, terá ele, dentre tantos direitos, o de sustento, de cuidado, de educação, de convivência familiar, de herança; por outro lado, quando se tornar adulto, deverá, se necessário, cuidar e sustentar seus pais;

PODE HAVER O RECONHECIMENTO DA FILIAÇÃO SOCIOAFETIVA APÓS A MORTE DAQUELE PAI OU DA MÃE QUE SE PRETENDE OBTER TAL RECONHECIMENTO?

Sim, o falecido pode deixar testamento indicando sua vontade de reconhecer a filiação socioafetiva e, na ausência desse testamento, aquele que pretende obter o reconhecimento da filiação socioafetiva poderá ajuizar ação declaratória, devendo apresentar provas de que havia vontade clara e inequívoca do apontado pai ou mãe socioafetivo de ser reconhecido(a), voluntária e juridicamente, como tal (demonstração de carinho, afeto, amor); e (2) configuração da denominada “posse de estado de filho”;

APÓS RECONHECIDA A PARENTALIDADE SOCIOAFETIVA, É POSSÍVEL SUA DESCONSTITUIÇÃO?

Não há a possibilidade de desconstituição posterior da filiação socioafetiva, em razão dos laços de afetividade materializados entre pai/mãe e filho.

Multiparentalidade

A multiparentalidade consiste na possibilidade de se registrar um filho com dois pais e/ou duas mães.

Um exemplo seria a inclusão do padrasto como pai socioafetivo, mantendo-se a mãe e o pai biológico nesse registro.

Padrastos e madrastas

Os padrastos e madrastas mantém um vínculo de parentesco por afinidade com seus enteados.

O enteado ou a enteada pode ser considerado dependente na declaração de Imposto de Renda e beneficiário da previdência social.

Além disso, há a possibilidade de o enteado ou a enteada acrescentar o sobrenome do padrasto ou da madrasta. A Lei nº 11.924/2009, que alterou o art. 57 da Lei de Registros Públicos, previu em seu § 8º que: O enteado ou a enteada, havendo motivo ponderável e na forma dos §§ 2o e 7o deste artigo, poderá requerer ao juiz competente que, no registro de nascimento, seja averbado o nome de família de seu padrasto ou de sua madrasta, desde que haja expressa concordância destes, sem prejuízo de seus apelidos de família (sobrenomes).

Investigação de paternidade

O QUE É AÇÃO DE INVESTIGAÇÃO DE PATERNIDADE?

O filho, já nascido ou ainda em gestação, representado ou assistido, ou mesmo quando for maior de idade, quando desconfia ou sabe de alguém que pode ser seu pai biológico, pode ingressar na justiça para requerer que sejam feitos os testes devidos. Se a paternidade for confirmada, o juiz determinará a inclusão desse pai biológico no registro de nascimento do filho, e este passará a ter direitos inerentes a qualquer filho (sustento, herança, pensão do INSS futuramente etc.);

QUAL O PROCEDIMENTO DA AÇÃO?

Quando uma criança é registrada sem o nome paterno o Ministério Público é acionado, a partir daí é feita uma primeira tentativa para solucionar a questão amigavelmente, e, se não der certo e for de interesse do filho, se ingressa com a ação judicial;

Se houver tal interesse, se deve ingressar com ação indicando o suposto pai, que será citado. Em momento posterior, é determinado pelo juiz que se faça o exame de DNA para comprovar o vínculo biológico;

COMO É O EXAME DE DNA?

Antes da análise do DNA em si é feito o exame do tipo sanguíneo, que pode excluir sumariamente a possibilidade de paternidade. Por exemplo, se o tipo sanguíneo da mãe for AB- e o pai A-, não tem como a criança ter o tipo O-. Em seguida, se não for excluída a possibilidade de paternidade já nesse momento, será realizado um teste com alguma amostra de DNA do filho e do suposto pai. Essa amostra é retirada, por exemplo, de um fio de cabelo ou de um pouco da saliva;

E SE O SUPOSTO PAI SE RECUSAR A FAZER O TESTE DE DNA?

Nesse caso, o juiz presumirá essa paternidade a partir das outras provas do processo e da forma como foi feita a recusa. Assim, o não comparecimento no dia do teste pode deixar subentendido que há, realmente, vínculo de paternidade;

EXISTEM OUTRAS AÇÕES SEMELHANTES PARA SE VERIFICAR A RELAÇÃO DE FILIAÇÃO?

É possível também que o filho entre com uma ação de investigação de maternidade contra aquela que ele acha que é sua mãe. Já o pai ou mãe, em algumas situações, caso desconfie que o filho não é seu, pode ajuizar uma ação negatória de paternidade ou de maternidade;

É PRECISO ORDEM JUDICIAL PARA QUE O PAI BIOLÓGICO REGISTRE SEU FILHO?

Não, se o pai biológico tiver certeza da filiação poderá pedir que conste na certidão de nascimento de seu filho, comparecendo ao Cartório de Registro Civil onde foi feito o registro de nascimento dele, sem precisar de ordem do juiz, desde que a mãe também vá junto ou concorde por escrito;

O MARIDO/COMPANHEIRO PODE REGISTRAR FILHO DE SUA ESPOSA/ COMPANHEIRA MESMO SABENDO QUE NÃO É SEU FILHO BIOLÓGICO?

Ele não poderá registrar essa criança como seu filho biológico, tão somente como seu filho socioafetivo.

Bom, primeiramente, além desses avisos iniciais de gravação da quarta oficina, para quem também já está com a gente desde o começo nessas oficinas sabe que a gente tem um formatozinho tradicional. Nessas oficinas aqui eu começo com uma  breve apresentação. Todo mundo depois que está aqui presente na sala ou se apresenta ou, como a gente fez na última edição, apresenta aqueles que estão entrando pela primeira vez, se apresentam, contam o que que eles… De onde eles vêm, que instituição eles fazem parte, que projetos Wiki já fez ou planeja fazer, ou tem curiosidade. Depois eu faço uma breve apresentação com alguns informes tanto do grupo, como da Wiki e etc. E depois nós seguimos para as duas apresentações, e aí, um momento de perguntas e discussão final. Só que hoje, por alguns outros motivos, o nosso primeiro palestrante de hoje pediu para que ele pudesse ir primeiro, porque surgiu uma questão pessoal que ele vai ter que resolver, então ele vai sair às três horas da tarde.


Então, eu vou mudar um pouco a lógica,  o Francisco, o Chico, vai então falar primeiro, fazer apresentação dele, e aí, vai ter um momento também, se der tempo, de algumas perguntas para ele e depois a gente segue tradicionalmente, tá bom? Peço desculpa por essa mudança, mas acho que não tem problema, porque acho que vai fluir bem de qualquer forma. Então, eu só vou rapidamente compartilhar aqui minha tela. Só para vocês saberem, a minha internet está um pouco lenta hoje, gente,  mas acho que carrega em algum momento.   Bom, só para vocês saberem que essa é mais  uma edição das oficinas do Wikimedia & Educação,   a educação livre no Brasil e as plataformas Wikimedia, eu sou Giovanna Fontenelle, sou gestora de projetos do Wiki Movimento Brasil, na área também sou jornalista e historiadora e estou atuando aqui nos projetos da Wiki fazem mais de três anos. E hoje a gente está com essa quarta oficina das duas às quatro horas, a programação original era dessa maneira, mas aí agora com essa mudança então essa é a nova programação.


Eu mudei um pouquinho os horários ali para poder caber todas as parcelas, inicial aqui das pessoas entrarem, a apresentação do Chico, as perguntas e depois a gente segue tradicionalmente, tá bom? E só mais um informe, que esse evento é organizado então pelos grupos de usuários do Wiki Movimento Brasil e tem apoio do grupo de usuários Wikipédia & Education e também desde o mês passado com financiamento do Creative Commons Open Education. Então vamos agora para apresentação do Chico,  vou parar aqui de apresentar. O Chico, Francisco Venancio ele é membro fundador Wiki Movimento Brasil. É wikimedista de longa data, né, Chico? Você pode contar melhor aí. Mas também é  o responsável pela coordenadoria da área de governo aberto do Creative Commons Brasil e até por conta desse nosso apoio agora do Creative Commons Open Education, essa palestra dele acho que vai atender várias questões   e vai também atender acho que algumas dúvidas  que sempre aparecem quando a gente faz essas oficinas,   esses eventos que é a utilização de imagens nos projetos Wiki de licenciamento.   E aí, esse universo considerando o aspecto  educacional das plataformas.


Então, agora eu passo a palavra para você. Chico, se você quiser então compartilhar a sua tela e os seus slides…   Agora o espaço é seu. Muito obrigada por topar participar! E é isso… Eu que agradeço, Giovanna, pelo convite! Eu sou o Chico Venâncio, editor da Wikipédia desde 2006 e junto com vários outros participantes aqui da reunião, sou membro fundador do Wiki Movimento Brasil e participo também do Creative Commons como coordenador da área de governo aberto, Creative Commons Brasil. Me convidaram hoje para falar um pouco sobre as licenças Creative Commons e seu uso dentro de… A licença Creative Commons, dentro do uso educacional e do conhecimento livre. Bem, eu queria dar uma explicação bem geral  para vocês terem uma uma base   para não… Deixa eu só desativar aqui as  notificações… Perdão! O que são as licenças Creative Commons?  O principal objetivo que elas têm ou principal função que elas cumprem é trazer uma segurança jurídica, a permissão do uso das obras. Sem a licença Creative Commons, mesmo que  o autor esteja dizendo que você pode usar a obra dele, você não tem uma certeza absoluta desse processo ao longo do tempo e se ele não vai…


Como é que vai ser esse processo de restrição  posterior e isso ao redor de diversas jurisdições com direitos autorais e de diversos, vamos dizer, autores. Uma obra pode ter mais de um autor. Então, a ideia da licença Creative Commons  é padronizar e dar uma segurança jurídica para esse processo de uso compartilhado, para criar um ambiente compartilhado de obras que possam ser utilizadas pela posterioridade. Quando a gente fala em obras aqui, é um termo específico jurídico, mas nada mais é do que qualquer texto, fotografia, desenho e  música, modelo em 3D… Qualquer coisa mesmo, qualquer coisa tangível ou intangível, que consiga  conter a criatividade humana em uma maneira de gerar algum valor. Eu estou simplificando e passando por cima de algumas arestas, porque esses contextos, esse conceito específico vai variar dependendo da jurisdição, mas a ideia geral é essa. O seu texto é uma obra, a fotografia pode  ser uma obra, o desenho é uma obra. Uma coisa bem importante de frisar é que as licenças Creative Commons só vão falar sobre direitos autorais. Então, elas não podem passar ou criar restrições  além daquelas que os direitos autorais criam.


E elas não podem falar sobre outras formas  de propriedade intelectual. Acontece muito de a gente ter esse tipo de confusão na área de marcas e de personalidades com as obras que chegam na Wikipédia. Então, não é um problema que alguém tenha desenhado uma marca da Coca-Cola, desde que aquele desenho não tenha direitos autorais. Geralmente, eu não sei especifico o caso da Coca-Cola, geralmente as marcas não possuem direitos autorais específicos, mas elas possuem direitos de marca e os conceitos são bem distintos, então a gente tem maioria de logotipos de   grandes empresas, a gente tem muitas coisas que  estão com direitos autorais livre, mas com outros   direitos de propriedade intelectual que o restringe, como voz de personalidade ou direito de marca.   É também importante que você não pode  criar restrições além do direito autoral, então   o tempo de uma licença Creative Commons é a mesma que o direito autoral específico e ela vai expirar junto.


E um conceito bem  importante também, que ela não pode ser restringida. E essa falta de rescisão, essa impossibilidade  de rescisão, é justamente para dar uma segurança   de que depois que você usou uma obra, o autor não pode retirar a permissão e criar um embaraço grande   para o seu uso. Imagina que você publicou  um livro com 100.000 edições usando uma fotografia   que estava essa licença e você respeitou a  licença e o autor resolve rescindir depois   da publicação. Isso ia dar um embaraço muito  grande, que é por isso que foi   estabelecida a não rescisão. E esse é um exemplo  que eu gosto de dar da não aplicação do   Creative Commons como eu falei ali. O órgão de supervisão nos museus na Alemanha resolveu colocar uma marcação de Creative Commons no fundo de um modelo 3D do busto de Nefertiti, espero estar pronunciando correto isso.


Apesar dessa marcação, a gente não considera muito   que esse busto tenha essas restrições de que eles  colocaram essa marcação CC, é um par contribuição,   sem uso comercial e share-alike. Então,  essas restrições não são consideradas, porque o   direito autoral que é relevante ao assunto é o direito autoral do busto e o busto foi feito há   mais de 3.000 anos, então a consideração de que  já tá em domínio público e não se aplicaria. Aí quais são essas restrições que a gente  comentou um pouco agora? Sobre o uso comercial… A gente chega do domínio público, que  a gente tem uma licença aqui em cima… Deixa eu ver se eu consigo uma caneta apontadora… A gente tem uma licença aqui do CC0, que é equivalente em termos de expressões a obras em domínio público. A licença que exija atribuição, mais simples, aí a gente tem a atribuição e o compartilhamento, no mesmo compartilhamento semelhante, chegando a restrições maiores, que fazem restrições de uso comercial e também pode ter a mesma restrição de compartilhamento e restrições de modificação.


E aí, você pode ter com restrição de modificação sozinha ou com a restrição comercial. Para uso na Wikimedia Commons e para uso na Wikipédia, a gente só aceita as obras aqui nesse quadrado verde em cima, são obras que estão dentro da consideração como obras livres. Esse conceito de obras livres é importante, porque   a finalidade que tem dentro do Movimento Wikimedia é criar um ambiente, um repositório   de conhecimento que possa ser construído um em  cima do outro, você pode construir em cima daquele   repositório, em cima das das obras e das coisas que estão lá e isso você cria restrições   de uso, isso dificulta muito.


Então, apesar de que  o nosso uso não é exatamente comercial, há usos   que são comerciais feitos a partir das obras  que estão no Wikimedia Commons e obras que estão   na Wikipédia, então não seria, não é, foi uma decisão  dos projetos do Movimento não restringir e não   aceitar licenças que faça essa restrição. Um  pouquinho mais sobre isso, as licenças Creative Commons,   você não pode ter nenhuma restrição com  as CC0 que é equivalente ao domínio público, como eu falei, atribuição de autoria que  é esse BY, como a gente colocou aqui CC-BY  e o compartilhamento com restrições iguais, só  que nada mais significa que qualquer   uso que seja feito das suas obras, as obras  que tem esse licenciamento precisam também   usar licenças do mesmo nível, com os mesmos  níveis de restrição.


Então, se eu faço uma   obra CC-BY- SA, qualquer obra que use esta  obra precisa também, qualquer obra derivada,   não usar, mas qualquer obra derivada precisa também usar essa licença ou uma licença mais restritiva.   Então, a gente está falando aqui, ele vai usar CC-BY- SA também. E as modificações para   criar novas obras, eu esqueci aqui de colocar, mas  a restrição comercial. A gente, como já falei, sobre   o problema da restrição comercial na Wikipédia  e no Wikimedia Commons, que é uma parte bem importante. Uma última parte que eu queria mencionar  que é bem importante, sobre o uso da licença,   que a Renata até perguntou antes do  início da apresentação, é que as   versões a gente já tem mais, já estamos  na versão 4.0 das licenças Creative Commons   e é muito importante na hora do uso que seja  especificar ou você pode especificar com o link,   se for uma obra digital ou mesmo na obra impressa,  você pode digitar o link por extenso ou mesmo   só especificar que a versão 4.0 ou a versão 3.0, a  versão escolhida.


A importância disso é porque   cada uma dessas licenças quando a gente vai usar, um desses símbolos, cada uma das licenças, em   cada uma das versões, vai ter um texto específico  legal e esse é o texto que a gente está se vinculando.   Então, é importante que a gente especifique qual é a licença específica e em qual versão. Esse texto específico jurídico que a gente  colocou aqui, é um texto em português, que pode   ser encontrado no site do Creative Commons e tem um resumo, vamos dizer, um código humano, como eles  colocam, que é um resumo razoável sobre o que significa o texto jurídico da licença.    Aqui, eu queria dar um exemplo do que  não fazer e aproveitar para dar um exemplo   do uso específico de uma licença no  Wikimedia Commons.


Essa fotografia que foi utilizada,   foi retirados por um dos nossos membros do Wiki Movimento Brasil, foi usada no estado de   Minas e foi creditado somente "Foto: Wikimedia Commons", isso, normalmente, é até mais do que   a gente espera, porque às vezes a gente tem "Foto: Wikipédia", mas quando a gente vai lá na foto, no   link da mesma foto no Wikimedia Commons, a gente vê qual é a restrição de uso: é a utilização se   você é livre para compartilhar e remixar sob  as condições de atribuição e compartilhar   igualmente. Então, é uma licença CC de atribuição igual, é atribuição com partilha igual.   E se a gente vem aqui em cima, ela ainda tem, você  pode usar em um site na internet, ela tem qual é   a URL, qual é a URL do arquivo, como é que deve ser feito atribuição, aqui tem atribuição, aqui em   cima, você pode copiar diretamente já em formato de link aqui embaixo com o código HTML, então   esse daqui é o formato mínimo que vai cumprir  as restrições de licença. E quando você está omitindo   o nome do autor, você acaba não cumprindo uma das restrições da licença que é a restrição de atribuição.


Eu queria abrir para todo mundo fazer  perguntas, porque é um tópico amplo e a gente   acaba criando muito mais pergunta na parte  de direito autoral e aproveitar como eu não… Acho que ainda tem uns 20 minutos  que eu consigo responder à perguntas de todo mundo. Chico, então, eu vou ler, tem duas perguntas  aqui no chat que eu vou ler para você e para   o pessoal todo também saber, e aí depois quem  quiser também fazer perguntas pelo microfone,   também fica à vontade, tá gente?  Então, eu vou ler aqui a primeira pergunta que é do Matheus Figueiredo   e ele pergunta: eu posso usar uma fotografia ND e colocar ela em um livro ou apresentação de slide? Pode, a restrição de ND é somente,  eu até me confundi na hora que eu tava falando,   é somente sobre a criação de obras derivadas,  então se você usar uma fotografia de forma  que ela vai estar criando uma nova obra,  uma nova imagem, você está recortando uma   parte com uma foto colando em conjunto com  outra, você está criando uma obra derivada, se   eu estou usando essa obra em uma coleção,  em uma apresentação, em um livro, eu não estou  alterando, eu não estou criando uma obra  derivada, eu estou criando uma outra obra que  não é derivada daquela, mas que eu uso aquela.


Esse conceito é bem distinto nas licenças. Tem mais uma pergunta aqui, que é do João  Alexandre Peschanski e ele pergunta: tem países…   Países têm compreensões jurídicas distintas  em relação às licenças de conteúdo, os projetos   Wikimedia são globais como Wikimedia Commons. Qual lei vale nesse aspecto global? Neste contexto de países com variações jurídicas legais, como é a posição do Brasil? É uma excelente questão, em geral a Wikimedia e Wikimedia Commons lida com a situação considerando dupla jurisdição.


A jurisdição dos Estados Unidos, aonde os  servidores da Wikimedia estão localizados   e a jurisdição do país origem, dando uma leve  prioridade para a jurisdição do país de origem.   Então, em geral, precisa estar livre nessas  duas jurisdições, precisa ser de um uso aceitável para essas duas jurisdições. Não é exatamente, não é muito aplicável ao uso das licenças Creative   Commons, porque essas licenças até agora  são aceitas em todos os países que elas foram,   vamos dizer, desafiadas, mas é muito  aplicável quando a gente vai falar sobre domínio   público e fotos em ambientes públicos, porque você tem direitos que não são exatamente direitos   autorais, mas liberdade de panorama, e aí às vezes, você tem… Alguns países você tem direitos autorais de prédios ou de obras de arte que estão expostas, em outros não. Na França, a gente não… A gente pode ter fotos   da Torre Eiffel, a Torre Eiffel tem mais de  70 anos, que o… Esqueci o primeiro nome, mas que o criador da Torre Eiffel morreu, mas a gente  não pode tirar fotos da Torre Eiffel à noite.   Elas não estão em domínio público, porque  a iluminação da Torre Eiffel é uma obra de   arte considerada específica em si e é uma obra de arte muito mais recente, então ela ainda tem os   direitos autorais dela, então a gente não pode ter  foto da Torre Eiffel à noite no Wikimedia Commons,  por causa disso.


Ou pelo menos não que mostre a iluminação dela  como um todo. E igualmente com… Não sei quando é que   vai terminar, mas pelo menos durante muito tempo, com a pirâmide invertida na frente do Louvre   e tem ainda essa consideração de como é que vai  ser feita a reconstrução da Notre Dame, se isso   vai criar novos direitos autorais ali.  Então alguns países, muito focado agora na França   porque exemplo que veio na minha cabeça, mas tem  esse problema em vários países da falta liberdade panorama.


E no Brasil, em geral, a gente tem,  algum problema de, vamos dizer, leis não muito   claras ou muito específicas, sobre alguns problemas atuais. Liberdade de panorama é um deles que,   em geral, a lei parece indicar que temos  liberdade de panorama, mas a compreensão   da justiça tem sido que às vezes essa liberdade  de panorama não é absoluta, se o uso for comercial. Então, isso é muito claro na discussão sobre os  direitos autorais do Cristo Redentor, sobre a possibilidade de vender ou não vender objetos que retratem o Cristo Redentor. A justiça brasileira não tem uma posição   muito clara sobre todos os usos e quando que passa a ser dentro da lei ou não passa, mas, em geral, a gente   tem liberdade de panorama com algumas restrições não muito especificada ainda pela justiça brasileira.


Como vocês podem ver é um universo bastante  complexo, né, Chico? Assim é uma infinidade…  É… Mas quando a gente vai para as licenças que já existem dentro da jurisprudência das licenças Creative Commons, é um pouco mais simples, porque você tem um autor que está muito   claramente colocando o desejo dele de autorizar o uso com algumas restrições muito específicas. Acho que você já respondeu a pergunta, então, do  João Ribeiro, só vou voltar então na pergunta da   Renata Carvalho, que a nossa outra palestrante de hoje. Ela pergunta aquela pergunta que ela fez antes da gente começar a apresentação, que é sobre  o selos: como usar? Por que usar esse selos? Como   se usa esses selos em apresentações, conteúdos e materiais que a pessoa pode estar fazendo? Então, assim… O principal… É assim, os selos não são obrigatórios. O que é obrigatório é que você deixe claro ou através do selo ou através de texto qual é a licença e qual é a versão que você tá utilizando.


Então, você pode simplesmente usar um CC-BY, versão 4 na sua obra e você está deixando claro que aquela obra está licenciada dessa forma. Mas, em geral, você usa o CC-BY  mais como uma forma de, vamos dizer,  facilidade de uso e uma compreensão  de que você está trazendo uma   divulgação mais clara do Creative Commons, você cria mais atenção para   aquilo usando os selos e você passa as informações de o que você está, como você está licenciando mais concisamente do que usando o texto da licença.


A alternativa pode ser mais ou menos   como a gente usa aqui na Wikipédia que é uma  caixa assim ou um texto assim. A utilização   é regulada nos termos da licença e tal e tal. Essa parte aqui já é mais assim, a gente querendo   orientar o uso, essa parte aqui realmente  é essencial do ponto de vista jurídico. É, tem mais uma pergunta aqui da Renata, que ela  pergunta, eu acho que até uma boa pergunta, porque   eu sei que tem muita gente aqui nessa reunião de hoje que vem de instituições de patrimônios e   instituições de guarda e ela fala: e fotos de obras dentro de museus? Eu ainda complemento, dentro   de museus, bibliotecas, arquivos, etc que permitem fotos? Tem algum exemplo desse aspecto? A gente tem muitas fotos retiradas de museus na Wikimedia. Em geral, o museu, ele tem a guarda da obra, mas ele   não tem, necessariamente, a maioria das vezes, ele não tem o direito autoral da obra. Muitas vezes, as   obras mais antigas, as obras são claramente em domínio público, como é o caso desse museu de   Berlim com o busto de…


Como é que é o nome? Nefertiti. Nefertiti, obrigado. É, então, é permitido, assim, por direito autoral. Agora você tem possíveis outras restrições: a obra pode… Quando você está falando de fotografia com flashes, pode causar deterioração em obras, até mesmo livros e talvez, simplesmente o museu não goste de  você tirar a foto, porque como, obviamente,   o Museu de Berlim não gostava que você tirasse, porque eles acham… Tem um temor que isso  afete a arrecadação do museu. Um exemplo que eu esqueci de colocar na apresentação, mas que eu acho bem  interessante, é que recentemente foi feito   uma estudo sobre o impacto de obras de  artigos da Wikipédia na receita turística de   países, de cidades da Europa Oriental e eles  chegaram à um artigo que uma edição específica que adicionou imagens e adicionou algum conteúdo ao artigo foi responsável pelo aumento de 168   mil dólares por mês na arrecadação turística  da cidade. Então, segundo a metodologia deles,   eu não revisei perfeitamente o artigo, mas é um  conceito interessante de que o principal impacto   das obras em Creative Commons não é individual, você está tendo um impacto coletivo e isso, não   necessariamente, você está fazendo um jogo de soma zero ali, você não está retirando de   alguém, porque a divulgação que a gente tem  dentro dos projetos Wikimedia é muito grande .


Então, isso pode ter um impacto que talvez  seja, inclusive, positivo para o museu, porque   mais gente vai estar interessado em ver a obra  física do que sem ter acesso à ela na internet. É, eu acho muito interessante esse ponto que você levantou e respondeu muito bem, Chico e acho que,   não sei, a gente do Wiki Movimento Brasil, a gente tem muitos contatos e parcerias com   instituições GLAM, a gente, realmente, vê esse movimento acontecendo, você estava falando   e eu lembrei que também tem uma questão, que às vezes as obras que estão no museu elas estão em domínio   público, elas, tecnicamente você pode ali tirar foto reproduzir, compartilhar e etc, mas às vezes há um   pedido do museu para que você não tire foto e eles até acabam sendo, até um pouco, não   sei se agressivos, mas assim, bem pontualmente  deixando claro que você não deve tirar foto   ali no espaço do museu e não pelo fato de que  ali, a questão do compartilhamento, mas porque   eles acham que tirar a foto pode estragar a  obra que está ali sendo exibida.


Lembro que eu   visitei esse Museu de Berlim, que você mostrou ali a foto e esse busto da Nefertiti não dava,   você não podia entrar na sala com uma câmera  fotográfica, mas a obra tem 3 mil anos, então   assim, você pode tirar uma foto, se você quiser, mas o Museu está ali pedindo para que você não tire,   porque eles têm medo que estrague a obra de  arte. Então, mas eu aqui, me intrometendo…   Vou ler aqui uma outra pergunta que fizeram, é o Rafa Coringa perguntou: no documentário "RIP! Sobre Remix", é mostrado como acontece o  lobby da Disney nos Estados Unidos para ficar   adiando o ano de domínio público, no Brasil temos a famosa tradução do "Parabéns Para Você".


Você vê   uma tendência no Brasil ficando mais  liberal ou conservador com relação à esse ponto?   Eu acho que já saiu um pouquinho da minha  área de expertise. Por uma questão assim, eu não estudo   tanto, a discussão de direito autoral no Brasil. Acho que tem muita gente que poderia   responder melhor isso do que eu, como uma Mariana ou ironicamente até o português que está aqui,   provavelmente, deve saber mais do que eu. O Paulo, que está na reunião, deve saber mais do que eu sobre o assunto.   Mas, a minha impressão, é que a gente tem pouca discussão sobre o direito autoral no Brasil, assim,   a gente faz parte de convenções internacionais que…


Madeirense agora, autenticada junto. Essa… Vamos dizer assim a gente tem pouca discussão jurídica sobre direitos autorais no Brasil,   a gente tem um temor grande que essa discussão volte nesse exato momento, porque a tendência tem   sido colocada como muito mais restritiva, então  quando a gente teve a discussão ou ainda está tendo  a discussão, sobre essa lei da fake news,  em algum momento foi colocado uma parte de   restrição de direito autoral, de pagamento pelo uso de obras. Então, você teria que pagar pelo   simples link à uma notícia ou um link à um arquivo na internet, então há discussões que tem acontecido   no parlamento nos últimos cinco anos, que eu tenho acompanhado, tem sido muito mais restritivas do ponto   de vista de direito autoral do que a gente tem atualmente como jurisdição, mas falar sobre    uma observação comparativa, se isso é mais ou menos o que no passado é muito complicado, porque na   minha experiência tem sido muito restrito o quanto se discute isso no parlamento brasileiro.


Então,   você acaba tendo que ir para quem tem acompanhado essa discussões com mais afinco, assim, nas últimas décadas. Eu acho que, também, além do nosso Madeirense aqui, também tem o Célio, já vi algumas palestras dele sobre esse assunto específico dos Estados Unidos e da Disney também, depois   se ele quiser também complementar a fala do Chico em relação à isso. Mas aí eu vou pular aqui para   próxima pergunta, que é do Adriano Dias de Oliveira, ele pergunta: no caso de usar GIFS, tirinha de   um perfil em uma rede social, se aplica os mesmos critérios? Em tese, sim.


É uma discussão complicada, porque eu desconheço um caso jurídico que tenha  sido levado assim, geralmente, se usa trechos   de séries, trechos de show, trecho  de… Aquilo são obras. Agora, há toda uma discussão, porque um dos critérios de direitos  autorais tanto no Brasil, quanto na maioria das   jurisdições, a extensão do quanto você está utilizando a obra. Então, o GIF que é por definição, por   restrição tecnológica mesmo, ele é de uma qualidade bem ruim, ele não está acompanhado do áudio que faz   parte da obra e ele é de uma extensão bem curta, ele está, vamos dizer, realmente afetando o uso daquela   obra? Alguém vai assistir, sei lá, um filme em GIFS no Twitter? Assim, não me surpreenderia,   porque muita coisa acontece na internet, mas não é o uso comum.


Então, as mesmas regras se   aplicam à pergunta, eu tenho que dizer que sim, mas dentro dessas regras você tem todos   esses critérios de exclusão de direito autoral que tenderiam a colocar o uso de GIFS como uma   exclusão do direito autoral no Brasil. Provavelmente, na grande parte, na maioria das jurisdições. Bom, não tem mais nenhuma pergunta no chat, mas aí, então eu vou fazer a minha pergunta que   na verdade, eu até sei um pouco sobre o assunto, mas eu queria que você falasse um pouco mais. Que é… Bom,   a gente às vezes confunde a utilização de imagens, quando a gente, ou qualquer tipo de mídia, quando   a gente leva essas mídias para o ambiente escolar, acadêmico, educacional, no geral. Eu lembro   quando eu estava no Ensino Fundamental, se não me engano, houve uma grande discussão sobre a utilização de filmes   em sala de aula, daí eu lembro que a partir dali, de algum momento, de algum ano ali, isso se   tornou uma grande questão, que os professores não podiam mais mostrar filmes, trechos ou inteiramente   na sala de aula sem pedir ou sem pagar ou sem ter uma autorização.


E aí, eu queria entender como é que   você avalia a utilização de mídias e como que as pessoas podem se utilizar das licenças Creative Commons em   contextos educacionais, porque que um slide educacional, ele, necessariamente, ainda precisa   de ter uma autorização, precisa de um licenciamento, precisa ter alguma atribuição ali à quem tiver produzido aquele conteúdo. Eu acho que tem duas considerações: primeiro assim, eu acho que tanto do ponto de vista jurídico de propriedade intelectual, de direito do autor, quanto ponto de vista educacional, atribuição é um princípio muito importante, porque ela não é só, vamos dizer,   não estou só dando o reconhecimento ao direito  moral do autor de que aquela obra é dele, mas eu   também estou atribuindo, vamos dizer, a parte de vista educacional, a parte de vista intelectual.


Então, você   tem, vamos dizer, a violação de direito autoral, mas você também tem o plágio do ponto de vista   intelectual. Então, acho que atribuição é o mínimo  que se espera dentro desse âmbito intelectual, mas também é muito importante você considerar que mesmo com a atribuição, você talvez não tenha o direito   de usar aquela imagem, porque o direito  de propriedade intelectual, o direito do autor não nos   dá o direito de usar as imagens, obras, áudios e filmes, etc, livremente, infelizmente. Então,   a gente tem à essa criação, o uso de licenças livres, que garantam que, vamos dizer… Garantam que  não tem repercussão dentro do arcabouço legal que nós temos para esse uso. Assim, é bem complicado, porque a  gente está lidando com o que existe de direito, sobre direito autoral, a gente não  está lidando com o direito de autor ideal.


Mas, dentro da lei a gente não pode usar obras de formas que não são autorizados e a consideração é… Perdão, a consideração é que muitas vezes os  detentores de direitos autorais querem restringir   ainda mais os nossos usos e as formas  que a gente está usando e quando a gente coloca   essas obras, as obras que a gente produz  e os conceitos que a gente está produzindo   em licenças livres é uma resposta muito clara de  que você consegue passar ao redor daquelas restrições que estão sendo impostas e você consegue criar um repositório de conhecimento   e um repositório de recursos educacionais, que  podem ser usados de maneira mais aberta e livre. Tem mais uma pergunta aqui do Matheus Figueiredo, ele pergunta se dá para utilizar uma   licença MC em uma escola pública. Você saberia dizer sobre isso? É uma pergunta bem específica até. Acho que o Paulo e o João já responderam, mas em geral sim. A gente não usa na Wikipédia por uma questão mesmo ideológica, de   que a ideia é criar um repositório mais livre.


As licenças MC, elas têm um problema muito grande,   que elas na verdade não restringem ninguém e isso é reconhecido até pelo Creative Commons, mas   como há demanda pela criação da licença para manter a estrutura, a licença é mantida, mas ela acaba só   restringindo aqueles que se preocupam com a licença. Mas você teria muita dificuldade em provar   o uso comercial da obra, que aquela obra em específico é a parte que está causando o uso comercial.


Então, faz parte dos problemas  que a gente, dentro do Movimento Wikimedia tem com as licenças MC, mas, em geral, você pode usar.   O que eu acho engraçado, é como a licença MC é a que cria mais questões e complicações  dentro do universo Creative Commons, sempre tem uma discussão interminável com relação à essa licença, realmente bem complexo. O Daniel pergunta aqui,  até complementando a minha pergunta de antes, se   existe a diferença legal do uso educacional  em sala de aula e nos projetos Wikimedia? O Paulo também responde bem, não tem muita diferença, exceto que dentro da Wikimedia a gente   está seguindo também as leis dos Estados Unidos, além do país de origem geral, que vai ser o Brasil.


  Quer complementar? Não, só dizer que eu presumo que é o Brasil. E aí, uma última pergunta então do Rafa e aí, eu acho que a gente encerra as perguntas para você,   Chico, que é sobre as campanhas internacionais  de incentivo ao uso do Creative Commons, ele falou que não conseguiu entender como é o processo para influenciar as leis nacionais.   A atuação do Creative Commons no  processo de influenciar, vamos dizer, o parlamentos,   em geral, é principalmente guiado  para leis de direitos do autor que sejam mais abertas,   mais abrangentes.


Então, não muito diretamente ligadas as licenças, mas, por exemplo, quando teve a Diretiva   Europeia de direitos autorais, eles estavam muito participantes da disputa para que não   muitos dos dispositivos fossem alterados ou não fossem presentes no dispositivo final e, em geral, por adoção por alguns órgãos governamentais das licenças, então, são as duas maneiras   que são mais guiadas que eu conheço. A atuação do Creative Commons a nível tanto no Brasil, quanto em outros   países é buscar uma limitação as restrições de direito autorais, então maior de liberdade de panorama,   maior termos de direitos autorais menores e uso das licenças Creative Commons pelos órgãos públicos.


Bom, sendo essa a última pergunta, eu vou encerrar, então, as perguntas para o Chico. Chico, muito, muito, muito, muito obrigada pela sua fala, por responder todas as perguntas, como você mesmo disse, a gente imaginava,  realmente, que esse assunto ia render muitas   perguntas, porque ele é um assunto complexo. A gente até pensa em fazer, mais na frente, talvez   o ano que vem, alguma outra apresentação sobre Creative Commons mais específica, porque a gente   sabe que é uma dúvida que persiste bastante. A gente também pensa em produzir, o pessoal aqui no   comentário, no chat, também já chegou a comentar que seria legal ter um vídeo explicando as licenças para   ficar disponível na Wiki, a gente também está trabalhando nisso, então esse é um assunto assim interminável,   muito complexo, então muito obrigado, Chico, por essa explicação sua, tenho certeza que   todo mundo aqui aprendeu bastante e é isso! Você está liberado, se você quiser.


Como eu falei   no começo da reunião de hoje, acho que para quem estava aqui nos primeiros 10, 15 minutos, essa reunião de hoje,   essa oficina de hoje foi pouquinho diferente. Então, como o Chico, o Francisco apresentando primeiro, porque ele tem um compromisso que ele precisava, necessariamente, sair perto das três horas, então  ele não poderia ficar o resto da reunião com a gente, então eu fiz a gentileza de deixar ele   apresentar o primeiro e aí a gente segue a linha  tradicional de oficinas, como a gente sempre   faz. Então, quem sabe, quem já está nessas oficinas desde o começo, sabe que, geralmente, acontece uma primeira   apresentação minha com alguns informes, tem um  momento de apresentação geral de todo mundo que está aqui   presente ou então, como a gente fez na última  oficina, as pessoas que estão novas na reunião   e aí, depois dessa minha apresentação de alguns  informes, a gente passa para apresentação das   duas pessoas do dia e no final a gente junta  todas as perguntas e deixa os dois palestrantes responderem.


Como hoje foi um pouco diferente, a apresentação do Chico foi primeiro e aí, eu vou, então, voltar um passo atrás e fazer a   minha apresentação rapidamente e aí, em seguida, a gente vem com a Renata Carvalho e mais perguntas   para ela, tá bom? Então, eu vou retomar aqui a  minha… Onde eu parei, no comecinho, pra quem   estava aqui desde o começo. Eu só vou apresentar minha tela aqui, compartilhar a minha tela com vocês. Espero que vocês estejam vendo a minha tela. Como eu falei, a gente teve essa mudança, então aqui para vocês terem uma ideia de como ficou   a nossa programação. Tivemos então, a apresentação do Francisco, vamos ter a Renata, em seguida.   Eu queria, se alguém quiser topar ainda, porque como foi uma lógica diferente, uma   dinâmica diferente dessa vez, se alguém estiver  novo na reunião e quiser se apresentar, falar   então o que você faz ou que universidade ou  instituição educacional você representa, se você   pensa em fazer algum projeto Wiki ou que ou  já está fazendo algum projeto Wiki ou quer dar algum update sobre o projeto Wiki que você está  fazendo.


Eu sei que tem muita gente agora que o semestre acadêmico, letivo começou  por causa da pandemia um pouco atrasado,   eu sei que muita gente está fazendo Projetos  Educacionais Wiki. Então, se vocês quiserem   falar alguma coisa nesse sentido, esse é o momento e eu sei que tem algumas pessoas novas aqui na reunião. Eu! Pode falar, Eva. Eu sou a Eva, tá? Meu nome é Eva  Teresinha Gerva, eu sou do UTFPR campus Curitiba, sou bibliotecária por formação, concursada como bibliotecária e exerço o cargo de chefia das bibliotecas do campus Curitiba, duas bibliotecas já em funcionamento e uma que está sendo montada e eu fui convidada pelo professor Daniel Pigatto para participar das oficinas. Perdi a última, na verdade, quando ele  me convidou já havia acabado a última, fiquei aguardando por essa. Então espero estar junto, a partir de agora e assim, é mais a nível de adquirir conhecimento e à medida em que eu for entendendo alguma coisa que eu possa dizer, que   eu possa contribuir, que vale a pena, eu peço a  palavra e me coloco. Muito obrigada por me   receber! Muito obrigada, Eva! Muito obrigada por estar aqui presente hoje, o Daniel sempre muito ativo na angariação de pessoas participando da oficina.


Muito obrigada, Daniel! A gente tem também a professora Tânia Monteiro, que também é da UTF que está aí, junto também, então somos três agora.   Tânia, eu acho que você se apresentou na última, caso  você queira se apresentar aqui também agora   e quem mais quiser se apresentar… Tem aqui dois comentários que eu vou ler, que é o Alessandro,   Alessandro Samuel Rosa, que ele é  professor dos cursos de agronomia e ciências   de computação, também na mesma universidade  e ele está iniciando o desenvolvimento de um   projeto de extensão WikiPedon, ele deixa mais informações aqui nesse link.


E aí, tem o   professor João Alexandre Peschanski, que o professor de jornalismo na Faculdade Cásper   Líbero e coordenador do Wiki Movimento Brasil. E depois tem eu! Pode falar! Eu sou Matheus Figueiredo, eu falei aí nos comentários, que eu sou wikipedista já tem algum tempo e atualmente eu sou professor de ciência e biologia numa escola estadual de Minas Gerais e eu não participo formalmente de nenhum projeto da Wikipédia, do Wikimedia, mas eu sou fotógrafo amador e mando muita foto para o Commons e atualmente, eu tenho editado na Wikipédia mais páginas sobre mulheres cientistas. Então, um pouco dos meus interesses e eu vim para a oficina para conhecer um pouco mais, sem nenhum objetivo muito estabelecido. Muito legal! Obrigada, Matheus, pela apresentação e por suas contribuições, principalmente, nas mulheres cientistas, acho que são conteúdos que a gente precisa na Wiki. Aqui a gente também tem Felipe Lima falando: "oi, gente, eu sou Felipe, professor de física, mestrando da…" Desculpa, Felipe,   depois se você puder colocar o nome do departamento que você colocou… Então, da Faculdade Federal de Santa Catarina e faz pesquisa  na Wikipédia.


Muito obrigada, gente, não sei se   alguém mais quer se apresentar, alguém que é novo aqui… Eu posso me apresentar aqui também! Meu nome é Daniel, eu sou professor da rede particular  de ensino, trabalho no ensino médio e pré-vestibular   e acompanho a Wikipédia e projetos tipo a Wikiversidade há algum tempo. Tive aí alguns conflitos   com alguns editores da Wikipédia, isso me afastou um pouco, acho que qualquer um que já tenha    vivenciado esses conflitos sabe que isso, acho  que é um ponto a ser trabalhado na Wikipédia. Fiquei aí um pouco na Wikiversidade e é isso, aí vi essas oficinas e resolvi voltar a me   aproximar, porque achei bem interessante o projeto. Então, até compartilhando um pouco com Matheus, são mais coisas pontuais, do que um projeto em si. Legal, espero que essa aproximação dê certo, a gente sabe que às vezes a Wiki pode ser complicada em algumas  questões, mas espero que dê certo dessa vez.


Tem mais uma pessoa aqui se apresentando que é a Rafa Coringa, ele fala: "sou Rafa Coringa, sou comunicólogo   pela o UESC Bahia, onde conheci o wikimedista Valério", o lxocacutus, que foi o palestrante na nossa segunda oficina, vão lá assistir o vídeo que ficou muito legal, da apresentação dele, então ele   continua aqui: "especializando em gestão  cultural e arte-educação no Senac, ainda não sou   wikipedista, mas pretendo aplicar em sala de aula e formado em informática também" e temos o Lucas Pianta, que ele fala: "sou Lucas, já me apresentei nas outras oficinas, ao lado da Isabela e do   Pedro", ele é editor do projeto História na Wiki, que ele deixa ali o link para o Twitter, que, gente, é um projeto muito, muito legal, eu sempre falo isso, vão lá dar uma olhada no Projeto História na Wiki, realmente   incrível e aqui tem a Lud, que fala: "sou Ludmila Almeida, formada em biblioteconomia e ciência da   informação pela USP e atuando como bibliotecária na área cultural em São   Paulo, estudo experiência do usuário e front-end e estou interessado em aprender mais sobre os projetos   Wiki".


Muito obrigada, gente, hoje, pelas apresentações, não sei se mais alguém quer… Se mais ninguém quiser se apresentar, então vou passar para o resto da minha apresentação, depois para a Renata. Muito, muito, obrigada, por compartilhar um pouquinho sobre vocês com a gente. Bom, vou compartilhar aqui novamente, tentar ser breve, sou um pouco prolixa, mas vou tentar ser breve. Vocês estão vendo a minha tela? Bom, após a nossa rodada de apresentações, eu sempre reitero os nossos objetivos, como eu disse no começo da oficina, essa é a quarta oficina, então nós estamos fazendo    esse encontro desde junho, mais ou menos no mesmo esquema e os objetivos dessas oficinas,    até pelo fato de que elas surgiram no momento em que a pandemia do Covid-19 estava deixando   todo mundo em distanciamento social, alguns  objetivos que a gente buscou estabelecer   para esses eventos, são esses daqui, então, em primeiro lugar, auxiliar aqueles que utilizarem   as plataformas Wikimedia com o propósitos educacionais, estimular o uso de formatos   alternativos de ensino, eu gosto sempre frisar aqui, no caso do segundo ponto, que a gente não se propõe a  substituir o formato atual.


Eu acho que, às  vezes isso, talvez se confunda um pouco, porque   pode confundir, eu não sou uma pessoa que defende a educação feita em casa, por exemplo, mas eu acho que é interessante a gente discutir e estimular alguns outros formatos alternativos   de ensino da educação tradicional formal.  Além disso, também em terceiro lugar, apresentar   um panorama renovado dos programas de educação Wiki, que uma coisa muito importante aqui   nesse nosso contexto.


E aí, nesse universo, no contexto Wiki, dar voz aos educadores   que fazem projeto nessas plataformas ou pensam em fazer projetos nessas plataformas, entender   as dificuldades enfrentadas por esses mesmos  educadores e formar uma rede de apoio para esses   educadores, para esses professores, não só com a gente, do próprio Wiki Movimento Brasil, do   próprio grupo de usuários do Wiki Movimento Brasil, mas também com a própria comunidade. Então, deixar   esses professores, esses educadores, as pessoas que não são educadores, mas que se interessam pela   área mais próximas de wikimedistas, de usuários Wiki, que possam lhe auxiliar no desempenho   dessas atividades. Bom, só para vocês também, para quem é novo aqui, ter um panorama geral,   até para todos ficarmos na mesma página, os  programas de educação Wikimedia no Brasil, que são feitos no Brasil, então dentro da Wikipédia Lusófona, mas no contexto brasileiro e aí também em   outras plataformas como Wikimedia Commons, WikiData, WikiLivro, Wikiversidade, todas essas plataformas   que existem no universo Wiki, não sei se todo mundo aqui conhece, mas temos várias plataformas.  Esses programas conjuntos, eles fazem parte de 186 programas, esses cursos fazem parte de 186   programas de educação atualmente, que contam com mais de 4131 editores e desde   os anos em que começou a se computar isso  já adicionaram mais de 118 milhões de palavras nos projeto Wiki, adicionaram mais de 300  mil referências, que obtiveram mais de 78 milhões de visualizações de  artigos, verbetes na Wiki, com mais de 113 mil artigos editados e 64 mil artigos criados e mais de 55 mil envios de arquivos multimídia, isso imagens, vídeos, áudios e etc.


à Wikimedia Commons, que é a plataforma multimídia. E dentro desses programas, vários projetos são feitos e até parcerias com museus, bibliotecas e outras instituições educacionais acadêmicas. Eu deixo aqui o link encurtado dessa dessa campanha,   que vocês podem encontrar mais informações,  programas específicos, outros números, podem dar ali uma explorada neste universo, é um link do Outreach Dashboard, essa plataforma aqui que eu menciono.


Além disso, só para também deixar claro, no  começo desse ano, ali em março, em abril quando a   gente começou a pensar essas oficinas, a gente fez, então, um estudo, a gente escavou praticamente,   um estudo historiográfico sobre o panorama  brasileiro de cursos e programas educacionais na   Wiki e a gente fez um levantamento de 2011 a 2020 e faço um comentário aqui que é 2020 até mais ou menos  março, abril, então que  não pega exatamente esse período da quarentena, então   esses números aqui podem ter aumentado, mas a gente conseguiu identificar que na Wikipédia em português e ali em alguns outros  cursos que estavam na Wikiversidade, a gente tinha   18 instituições diferentes, com 24 grupos  de estudo, 42 professores, mais 4 monitores   e mais de 61 embaixadores, através desse conto que a gente fez, a gente   claro, não conseguia exatamente saber o número de estudantes, mas a gente sabe através desse número   aqui e aí, a gente fez um cálculo que era mais ou  menos 180 programas, cursos e classes e a gente   nem consegue ver isso refletindo aqui no número  do Outreach Dashboard.


Bom, mas como eu disse ali   nos objetivos dessas oficinas o que a  gente pretende com esses encontros é então formar   uma rede de apoio. E essa rede de apoio, a gente  encara que ela é feita através do portal das   oficinas do Wikimedia e Educação na Wikiversidade, eu deixo aqui o link encurtado para a página do portal das oficinas, muita gente aqui já conhece, então já tem esse esse link guardado, até eu   enviei antes da oficina para quem é novo, para quem tá entrando e a outra forma de rede   de apoio que a gente estabeleceu e ofereceu é  um grupo para educadores e interessados no Slack, na plataforma Slack, do Wiki Movimento Brasil e aí,  para entrar nessa plataforma é só nos enviar um   e-mail que a gente coloca você lá e aí você tem  contato com outros wikimedistas de uma maneira   um pouco mais rápido do que só a própria Wikipédia ou as outras plataformas da Wiki e também em contato com   a gente e com outros educadores.


Então, é um espaço muito legal para ideias, para tirar dúvidas   na área, a ideia é que ali seja um centralizador interações. Bom,   eu vou só rapidamente mostrar para vocês aqui, já que a gente está nesse slide.   Essa aqui é a página, então, do portal das oficinas  de educação, então, aqui na página principal a   gente consegue encontrar o objetivo dessas  oficinas, algumas outras informações sobre a   atual oficina e a oficina anterior, se você navegar  por aqui, você tem acesso às oficinas anteriores. Então, a gente está aqui na quarta oficina, aqui você consegue encontrar as outras oficinas e na página de materiais que eu acho que é uma das páginas mais importantes, vocês encontram os vídeos e as gravações das oficinas anteriores, os slides dos palestrantes das oficinas anteriores também, tudo completinho para que você então possa utilizar e pensar sobre esse conteúdo que foi discutido nessas oficinas, está tudo no Wikimedia Commons, então você pode baixar, utilizar ele.


Também tem alguns materiais de apoio, são algumas brochuras que foram feitas no contexto da Wiki para ensinar e ajudar os professores e estudantes nessa nessa aventura deles pela mundo Wiki, tá bom? Tem muitos outros materiais de apoio que não esses, mas esses daqui foram os que a gente selecionou para ficar na nessas páginas, que a gente acha que talvez sejam os materiais que conseguem no momento ajudar mais, que são ainda bem atualizados, mas existem alguns materiais bem antigos, mas a gente do Wiki Movimento Brasil, a gente também tá trabalhando em atualizar a Wikipédia de A a Z. Já rolou algumas atualizações no Wikimedia sala de aula, então a   gente está trabalhando com ele para deixar isso   cada vez mais no ponto em que a gente se encontra   com relação as novidades de ferramenta e usos da  Wiki, tá? Além disso aqui também que os materiais de   divulgação dessas oficinas. E aí uma parte bastante importante que é essa página de participantes, todo   mundo que tá aqui então são participantes das  oficinas, que se interessam pelo assunto que   desejam sempre receber atualizações e informações das oficinas, se você tiver uma conta na Wiki e deseja também receber essas informações, eu peço para que você assine seu nome aqui.


Então, para assinar o   seu nome, eu vou ensinar aqui. Você pode copiar  esse código que está aqui em cima e aí clicar em   'Editar Código-Fonte' e colocar essa informação  e esse pequeno códigozinho aqui embaixo e você pode ver como que vai ficar o resultado aqui. E aí, você, simplesmente, 'Publicar Alterações'. Eu não vou publicar, porque eu  já estou nessa lista, mas aí vocês podem vamos fazer esse caminho também, tá? Caso vocês queiram os links para essas páginas, o pessoal Wiki Movimento pode deixar os links aqui no chat para vocês também, tá? Eu vou continuar aqui rapidamente.  Outro ponto que é bastante importante aqui   que eu sempre repito, que os recursos dessa oficinas,  que são além dos materiais, aquelas brochuras que eu já mencionei, são as gravações, elas se encontram nas páginas das oficinas, mas elas também estão disponíveis na Wikimedia Commons e então você pode baixar e disponibilizar de outras maneiras, fazer o uso desse material e elas também estão no no YouTube.


Então, aqui até trouxe para vocês   o print dessas gravações, a gente tem um exemplo da segunda oficina, que está no Youtube, temos   aqui o exemplo da primeira oficina também que está na Wikimedia Commons. E lá no YouTube a gente tem   uma playlist agora com todas as oficinas até o  momento, que a gente vai continuar atualizando.   Nossa playlist com as novas oficinas que vão  acontecer também. E aí eu deixei o link   encurtado ali para playlist, caso alguém queira assistir todos esses vídeos de uma só vez também, tá bom?   Vou passar para alguém assistir que também, sempre defendo a ideia do compartilhamento da   divulgação desse material nosso, das nossas rotinas. E além disso uma novidade que eu gostaria de   falar para vocês que nós do Wiki Movimento Brasil, estamos produzindo alguns vídeos educacionais,   porque a gente percebeu que havia uma necessidade da comunidade e precisamente a comunidade sente falta de vídeos atualizados  que ensinem conceitos básicos da Wikipedia,    então, como utilizar a Wikipédia, como fazer algumas atividades iniciais nesse universo. E   aí saiu o primeiro vídeo, eu não sei se aqui vocês  vão conseguir ouvir o áudio mas o site Esse é o nosso primeiro vídeo se caso alguém  queira assistir e compartilhar com alguém   aqui também tem um link encurtado, pessoal do  grupo pode deixar também o link aí no chat para   vocês mais fácil e aí daí aqui esses vídeos sejam  como vocês podem ver bem simples bem introdutórios   para quem realmente está entrando nesse nesse  nesse universo e até um conteúdo muito bom para   educadores passarem, professores passarem  com seus alunos para que eles saibam pequenas   é pequenas coisinhas da Wiki né então como fazer  uma conta.


É realmente um vídeo de introdução   A Wiki né então a gente fez esse primeiro e até  a gente lançou esse vídeo ontem e a gente queria   até saber opiniões de vocês só que como esse  vídeo pode melhorar ou não né. Ou outros   tipos de sugestões a gente tem aqui na lista de  vídeos que nós estamos pensando em fazer, então   segundo vídeo sobre como usar a página de testes, um terceiro vídeo como inserir imagens no Commons do   Wikipédia.


O quarto do vídeo sobre como inserir  diferença, o quinto sobre como adicionar categorias   pela editora visual e um texto como adicionar  ligações internas e a gente também gostaria   que vocês sugerissem para gente alguns  vídeos que vocês acham seriam bons até   pensando na utilização de vocês pelos seus  alunos, então nessa nossa grande novidade   Essa oficina de hoje a gente queria realmente  ouvir o que vocês acham sobre esse primeiro vídeo   Sobre os vídeos que a gente está pensando  em fazer. Isso já faz precisamos também e é enquanto esses vídeos aqui não ficam prontas,  eu sei que tem muitos professores que me procura   e procura outras pessoas do grupo também para  sugerir e vídeos educacionais que eles podem   utilizar como referência para eles mesmo como  professores mas também para passar para os seus   estudantes, pessoas, alunos então eu deixo uma  página muito especial aqui a passo uma página do   usuário e tocar durante esse ele tá na reunião  aqui hoje mas ele foi nosso segundo palestrante   como eu falei anteriormente e ele é muito  envolvido com educação e ele tem uma página dele   que ele indica alguns vídeos educacionais, esses vídeos estão um pouquinho antigos.


Então a nossa   ideia justamente atualizar esses vídeos, até para  que eles fiquem uma qualidade de imagem melhor que   uma narração às vezes apropriadas que alguns  não tem narração e tem um outro vídeo que não   está em português mas tem legenda, tá então caso  você precisa de um vídeo muito urgentemente eu   indico essa página para vocês que você já consegue achar alguns vídeos já nesse momento tá aqui em   outros vídeos e aqui tem um link encurtado pessoal  Pode deixar também aí no chat para você está bom   E aí, como eu disse reiterando que eu peço para  que vocês assinem tava quase de participantes que   Eu mencionei agora a pouco e gostaria muito que  vocês pudessem também preencher um formulário   que eu passando esse formulário desde a segunda oficina , que a idei que vocês preencham esse celular e   nos ajudem planejar as próximas oficinas também. Então aqui tem um link encurtado para ele mas   o pessoal também pode deixar no chat.


E aí  bom a ideia daqui para frente também não   só a gente conte com o palestrante educador ou falando sobre um assunto que tem muito a   ver com educação mas que também a gente é chama a comunidade para participar então se você é uma   Educadora professor que tem um projeto legal  e gostaria de participar de uma oficina nossa   como palestrante entre em contato com a gente por esse email aqui ou então no meu e-mail   também vocês tem né que é o [email protected] que a gente consegue   trabalhar com você numa apresentação, a gente quer realmente dar esse espaço para que vocês compartilhem   o projeto e as experiências que você já tiveram  tá? Aí as próximas oficinas só reiterando aqui  para participar a gente pede uma inscrição prévia  nessas oficinas, são abertas a todos e qualquer um   mas a gente faz a sua inscrição até para  poder organizar um pouquinho melhor e a gente   sempre atualiza o convite que já foi feito  para participar dos anteriores que você   tá participando pela primeira vez, não precisa  se preocupar aqui na próxima oficina você vai   receber um convite para que você  possa participar também.


E aí como a gente   se você também tiver uma outra sugestão de tema  específico você pode compartilhar no slide com a   gente, pode escrever por e-mail, pode preencher  aquele formulário, tá bom? Bom, aqui não eu ia   passar então para as apresentações então a gente  passa para Renata, o Francisco Chico já   fez apresentação a Renata Carvalho hoje aqui na  nossa quarta oficina é mestre em educação arte   e história da cultura, especialista em Educação e  Tecnologia pela UFSCAR. E aí mestre em educação arte   e história pela Mackenzie e para da cultura  que ela não entendi se é só o último aviso   aqui, é que esses são os meus contatos e a próxima oficina ela está marcada para o dia 21 de  outubro tá certo, a terceira quarta-feira do mês  de outubro. E aí, agora eu vou parar de apresentar é só um minuto e vou passar a palavra  então para Renata Carvalho.


Já fiz apresentação   mais formal dela e ela vai fazer então uma  apresentação que ela vai falar sobre todos   educacionais da Wikipédia, muito obrigada por topar participar é um prazer tê-la aqui   você com a gente hoje e agora faça o seu. Muito  obrigadq! Bom, obrigada Giovana! Obrigado a todos os presentes, a gente sai do universo que o  Chico apresentou para um recorte particular   específico que eu vou apresentar para vocês eu  vou compartilhar minha tela e daí a gente vai   seguindo pela apresentação, é um trabalho que eu  produzir para durante a especialização em educação   e tecnologias em UFSCAR e envolveu  tanto uma pesquisa bibliográfica quanto   a coleta de dados né, sobre os da Wikipedia e é  a parte prática que na verdade fui eu que fui   fazer né.


Eu não cheguei no ponto de  conseguir ensinar e organizar oficinas eu não   sou e que me dista. Estou começando agora assim um pouco tempo está enxergando a minha tela e agora? Está enxergando sim, será que você podia deixar  ela mais afiada tipo mas dá para ver direitinho. Ah, beleza então e é isso né, eu produzir eu foi um artigo mas isso  é um projeto integrador então eu comecei em 2017   e terminei 2019 esse trabalho conversando com  a pesquisa leitura foi coletar dados aprender   como faz pesquisar casos e produzir o artigo em  cima, eu apresentei o artigo agora aí nesse mês   de setembro no CIET enped que é um evento que  acontece na UFSCAR e compartilhei com pessoal   no Wiki momento Brasil e o pessoal me convidou  para falar para apresentar para vocês o artigo   eu tô acompanhando as oficinas né eu participei  em julho em agosto e agora eu tô falando aqui   com você então é bem legal eu tô super feliz  de poder compartilhar e contextualizando né eu   tenho uma atuação já de quase 10 anos na educação à distância como designer gráfica só vi que tem alguém   de Bauru da Unesp de Bauru também esse design  gráfico e eles vão uma migração de carreira sete   anos e atua hoje como designer educacional e a  minha atuação profissional ela me faz refletir   muito sobre o que é aprendizagem significativa  é a educação aberta uso de recursos abertos eu   coloquei aqui rapidamente os os conceitos depois  vocês vão ter esse material, vocês veem podem   pesquisar mais Desculpa te interromper mas eu acho que os slides estão travados a gente tá ainda na primeira página e tá não tá a tela toda ainda É eu vou tentar de novo E é mas o meu interesse por esse tema ele surge  daí né, aprendizagem significativa é aquela que   leva em consideração o conhecimento prévio do  usuário vocês tão vendo agora ainda tá carregando   aqui e ainda passar por um slide.


Olá abaixo aqui  tá aí passando para mim não não tá mexendo não   e agora agora mexeu eu não vou contratando  Mas se você preferir deixar nem mesmo pelo   menos passa né. Vocês estão vendo agora está entre aprendizagem significativa, beleza então é isso é  como designer educacional eu produzo recursos  objetos de aprendizagem para um público adulto   e a aprendizagem significativa é algo muito  importante nesse processo esse conceito ele é   desse pesquisador, Ausubel. E basicamente é isso você entender que o processo de aprendizagem ele   envolve o conhecimento que a pessoa já tem com os conhecimentos novos que você tá mostrando para ela   É isso tem muita relação com a educação  aberta também, que é um conceito dos anos 70   que leva o que eu tenho, que é uma educação que  leva em consideração quem está envolvido  o aluno assim qual o jeito dele aprender melhor que horário local, porque que todo mundo precisar   estar na sala de aula naquele momento, também a  duração de um curso, ainda que a educação aberta faz   esse questionamento.


Porque assim, fazer uma graduação de cinco anos se eu poderia, para mim   seria melhor fazer em módulos e terminar, sei lá em dois anos. Enfim ,eu disse que vocês começam lá nos   anos 70 e daí, com o advento das novas mídias ela  se potencializou ainda mais com a tecnologia e   os ambientes software livres e a produção  de recursos educacionais abertos são restos   Bom, então todo esse contexto ele tá  no meu caminho profissional, são   questionamentos que eu tenho e como pesquisadora também, da educação e da tecnologia e daí eu   comecei a pensar no na Wikipédia. Se a gente  podia olhar para ela dessa maneira também né   como você ferramenta educacional, porque pensando pelos recursos educacionais abertos nos esse daqui são os princípios básicos, usar  adaptar, compartilhar e compartilhar novamente   tem um pouco a ver com Creative Commons, que  foi apresentado um pouquinho antes e no Brasil   a gente tem um problema grande com relação ao  acesso às tecnologias, né.


Falando de educação   pública,as pessoas não têm acesso à internet eu  não tenho equipamentos. Então para esse trabalho   na especialização, eu achei mais interessante  tentar em vez de investir em produção   e o uso de tecnologias, a minha habilitação, eu  pensei em usar alguma coisa que já existe a   partir desse princípio. Eu sempre usei o Wikipédia  para consultar coisas e eu comecei a pensar nisso   Será que a gente não poderia olhar para ela  como uma ferramenta educacional? Então esse foi o meu ponto de partida para esse trabalho e  eu precisei contextualizar. Porque é importante   o uso da Wikipédia, ele em casa atores que poderiam colocar lá como uma ferramenta educacional e a   ideia aqui era contribuir para ações educativas,  que usa uma ferramenta de acesso livre e gratuito   também contribuir com a bibliografia  do assunto, porque eu tive essa dificuldade   na minha pesquisa de achar coisas publicadas.


A Giovana acabou de apresentar números imensos de    atuação do Wikimedia na educação, mas quando eu fui pesquisar coisas publicadas eu achei pouca no assunto. Então achei que esse fator também era importante para a produção do artigo para investir   nesse tema e, também é a ideia de produzir de  verbetes é que sejam mais consistentes que   tenham relação com a pesquisa científica ela vem  para tentar combater um pouco desse preconceito   que existe com relação a plataforma. Então  isso aqui foi tudo que eu pensei lá no começo   quando estabeleci que eu ia estudar esse tema  ainda em 2017.


E daí, para realizar o trabalho   é além das leituras mas eu fui coletar dados eu  todos os dois formulários disponíveis aí por uma   semana lá em no final de 2018 e coletei algumas  respostas que davam base porque eu tava falando Esse é um formulário ele foi destinado a docentes  Neto tanto de Ensino Fundamental como médio e   ensino superior e produzir 15 questões obtive  33 respostas três formulário O Segundo ele foi   direcionado para alunos eu fiz 20 questões e  conseguir 23 respostas Nem todas as pessoas   responderam todas as questões então quando eu  vou apresentar para vocês aqui os gráficos às   vezes os números não são esses daqui mas o  total foram esse né 33 docentes e 23 alunos   bom então eu fiz uns recortes do que eu das  perguntas que eu fiz né para mostrar para vocês   e esse daqui foi para o formulário dos professores  ele mostra um pouquinho do perfil das pessoas que   responderam meu questionário a maioria era  de São Paulo da cidade de São Paulo perfil ele   trinta e quarenta e três anos é uma coloquei aqui  mas tinha essa questão também eles a maioria atua   em graduação ensino de graduação e pós-graduação, em alguns no ensino médio e daí a pergunta básica   se a pessoa utiliza Wikipedia para pesquisar  algum assunto a maioria respondeu que sim   daí eu pergunto se já utilizou em algum  trabalho acadêmico a maioria responde que não   porque não considera apropriado para o meio  acadêmico esses dois formulários.


Na verdade   eu queria saber que que as pessoas pensavam  da Wikipedia diz que eu pergunto se usa como   fonte de pesquisa porque a gente sabe que muita  gente usa né eu olhei hoje no top no ranking de   sites da Alexia é o 13º site mais acessado  do mundo quando eu fiz o artigo finaliza o   ano passado em 2019 era o quinto mais acessados do mundo então as pessoas usam né, e eu queria   saber se elas usavam. Qual a relação que  elas fazem com academia aí né esse no caso   do professor? Se acertar em um trabalho que tem  a Wikipedia como fonte os alunos se submeteria   o trabalho com citando Wikipédia para o professor  e também a parte de edição de verbetes e tal tá um   pouco mais específica nossas duas pesquisas eu eu faltei nisso assim saber se a pessoa usava. E se   ela usaria para um trabalho acadêmico.


A relação  dela com a parte técnica de estar verdade é e é para os professores já perguntei né se  ele sabia editar verbetes da Wikipedia aqui   deu quase igual a 53% que não e  46% sim aí essa pergunta é interessante porque   e apesar de 46,9% falar aqui  sabe editar 81% nunca editaram   nenhum verbete e eu coloquei duas opções né  não e não mas gostaria de aprender e assim nem   apareceu o número aqui para mim de quem gostaria de aprender mostrando que a irrisório a maioria   dos professores que participou aqui no dessa pesquisa que eu fiz eles até têm um conhecimento   alguns não mas eles não têm interesse de  aprender editar um verbete da Wikipedia e daí eu perguntei se eles aceitariam o Wikipedia nas referências de um trabalho docente e   alguns a maioria respondeu que sim mas não  como referência de base, essa que eu achei   bem legal saber e mais uma grande maioria não  não aceitaria de jeito nenhum e daí também pergunto   você já usou Wikipédia como base para algum  trabalho em sala de aula de que maneira e tal   e eu fiz uma nuvem de palavras com as respostas  nesse daqui era uma questão aberta e o nunca   aqui tá bem destacado "nunca utilizei" e ó  e aqui já mostra uma oportunidade muito grande   muita gente tava discutindo aqui hoje né  de mudar seu olhar sobre a plataforma e passar a   desenvolver coisas dentro dela e daí seguindo  para o formulário para os trabalhos discentes   foram alunos que responderam, a maioria  alunos de pós-graduação cursando presencial   e eu perguntei também se utilizava a Wikipédia para  pesquisar algum assunto 90% responderam   que sim e quando eu pergunto se o professor  aceitaria um trabalho contendo o Wikipedia como referência quase 55% respondem que não e 36,4% responde aqui sim mas não como   referência base.


Então mostra até um conservadorismo um pouquinho maior dos alunos   nessa questão do que dos próprios professores que  responderam a maioria lá respondeu que aceitaria   assim mas não como referência base então os  alunos meio que acham que não é legal usar   o Wikipédia como referência e daí eu perguntei  para ele se eles concordam com o posicionamento   dos professores e porque ela também era uma  questão aberta e aqui o "sim" bem destacado A maioria respondeu aqui e concorda daí essa parte  da confiabilidade que ela apareceu bem destacada   né. E isso mostra um pouquinho confiável aqui do da visão geral que as pessoas têm sobre a plataforma e daí a parte técnica eu perguntei sobre a  edição de verbetes para os alunos e mais de 80%   responderam que "não" e se tinha interesse em aprender editar e também a maioria respondeu   que não tem interesse em editar.


Essas  razões elas teriam que ser um pouco mais   aprofundadas, aqui essa pesquisa o recorte bem  pequeno dá uma ideia para a gente mas para saber   o porquê as pessoas não se interessam em  aprender a editar seria ampliar um pouquinho   mais. E aí depois dessa coleta eu fui atrás de  casa não é do uso da Wikipédia em sala de aula   como ferramenta Educacional é não não foi fácil  achar trabalho publicados em revistas científicas   ou em livros e eu achei dois que hoje olhando a  data assim até tão pouco antigos né em caso do   Brasil de 2013 e um caso nos Estados Unidos de  2010 existiam outros mas é um pouco mais antigo   então foquei nesses que achei que estavam  completos e um pouco mais atuais é esse   caso do Brasil ele os professores eles aplicaram  Wikipédia no curso de graduação em Jornalismo e a   ideia deles era usar produção textual dos alunos e  também é fazer um exercício na escrita é uma coisa   que já existia então eles convidaram os alunos  da complementar e criar o verbete na Wikipédia   é a partir de trabalhos que estão fazendo durante  a disciplina eles contam que os alunos já usavam a   plataforma para pesquisa ou então como eu mostrei a gente sair nos gráficos as pessoas usa então   eles falaram nisso que já partindo da premissa  que já era usada pelos alunos especialmente Aqui   em inglês, que os alunos consideravam  mais confiável.


Então, eles propuseram isso para que eles trabalhassem na Wikipédia a língua  portuguesa e produzindo artigos ali, seguindo   as normas da plataforma, buscando fontes confiáveis e também submetendo avaliação de pares até.   Alguém comentou agora na apresentação dos conflitos que existe na Wikipédia, esse artigo traz um pouco disso. Das considerações finais  que os professores fizeram, eles destacaram que isso foi um ponto muito positivo para os alunos, de  submeter um trabalho à avaliação de pares entre aspas, nas regras da Wikipédia e ouvir críticas.  Alguns artigos que eles produziram foram   deletados, então eles avaliaram isso como uma experiência muito positiva   para o projeto pedagógico que havia sido estruturado. Eu coloquei aqui o link do artigo, o link não,   desculpa, a referência do artigo, depois vocês podem pesquisar, eu achei na internet.


Então, colocando   a referência é possível achar. E o segundo caso, ele vai mais ou menos na mesma linha,   com alunos do curso de graduação, aí foi nos Estados Unidos. A professora, ela propôs para os   alunos identificarem temas a serem explorados na Wikipédia e produzir um a três parágrafos,   mais ou menos ou mais, para complementar esses  verbetes. E também, as considerações nesse caso   elas vão na mesma linha. O fato dos alunos serem submetidas a normas específicas na   rede ou do contexto da Wikipedia, ter as regras para poder escrever ali, as fontes confiáveis…   Isso foi um exercício, a professora fala que o historiador,  ele vai produzir textos que serão submetidos à   revisão de outras pessoas. Então, foi um exercício  muito bacana para eles também, eles refletiram   sobre a tecnologia nos processos históricos, do  ponto de vista da história. E ela destaca também   uma coisa que foi muito legal, foi a apropriação do uso das redes sociais na educação.


Aqui, esse artigo, eu tenho o link, eu coloquei aqui também depois vocês podem ler em inglês e tem todo   o relato do caso. E daí, agora, eu falo dos meus casos. Eu não consegui, como eu tinha previsto   lá no começo, eu gostaria de ter aplicado isso com alunos, mas eu não tive tempo de fazer durante todo esse processo da produção do artigo, porém eu participei de eventos.


   Eu participei de um ano passado, em 2019, foi uma  maratona de edição, o grupo arte feminismo,   nesta ocasião estávamos eu e mais uma moça com participantes e uma docente fazendo a mediação   ali e ela explicou para gente como funcionava, ela falou da questão de poucas mulheres editando ,  falou do panorama dos artigos em português  que precisa crescer, tem muito mais em inglês,   enfim, a gente teve uma conversa ali, que me deu uma base bem  legal do que é a Wikipedia, eu tinha criado meu   login antes, o meu login, acho que eu criei em 2018 e daí ela me explicou como usar, mas daí eu foquei na parte teórica,   eu decidi que eu não conseguiria aprender a ponto de organizar oficinas, então fiquei só com   os casos que encontrei na bibliografia e a coleta de dados e finalizei o meu trabalho. E continuei   seguindo as mídias sociais do grupo Wiki Movimento Brasil e daí descobri essa oficina   pelas redes sociais de arte feminismo, também, esse tema me me interessa muito, fui participar da editatona que   aconteceu em julho de 2020 e nessa  oficina, eu pude entrar em contato com o retorno   desse projeto que a Giovanna apresentou agora, eu não sabia que existia.


Compartilhei, falei que eu  tinha escrito sobre isso no ano anterior,  eu poderia ter complementado com muitas   informações e se tem o caso de que embora as ações elas estejam acontecendo ao bastante tempo até não   a publicações da área né trouxe a atenção que é  isso que a gente precisa publicar meus professores   pesquisadores precisam se envolver para que a  gente realmente aí se esse leque referencial   para que outras pessoas Leiam e queiram fazer  também é porque afinal de contas professores   estão na academia né e é lá que eles vão buscar  as fontes confiáveis e daí acho que é importante   isso assim documentar essas ações e publicar em  meios acadêmicos e ficam revisão por pares etc   mas a oficina foi muito legal eu consegui fazer  mesmo como aluna editar verbetes e teve   todo esse esse projeto estabelecido a gente teve  conversas mas foi debate ali com algumas pessoas   fazendo suas Exposições a gente tirou  perguntas e depois a gente foi de fato para edição   então foi bem estruturado e eu aprendi muitas  coisas lá e também em seguida eu participei   da terceira oficinal Wikimedia educação e foi o  mês passado e nessa oficina também aprendi muitas   coisas os professores apresentaram Pilares para poder estruturar um projeto ações que vêm   sendo feitas em universidades até nas discussões  nos comentários é foram feitas sugestões de como   aplicar por exemplo no ensino fundamental é uma coisa que eu achei bem interessante eu tinha lido   o caso também no uma notícia da questão de usar a página de discussões da Wikipedia em sala de   aula enfim essa essa essa minha experiência como aluna.


Desde o ano passado até agora a única são   muito em relação ao conhecimento e do uso da  Wikipédia para fins educacionais relacionando   lá com aquela aprendizagem significativa , o aprendizado ele tem que fazer sentido   e para quem tá aprendendo e eu acho que esse é um caminho. Para que as plataformas multimídia   plataformas abertas vai falando de uma maneira  mais geral recurso educação mais abertas e sejam   mais estimulados é isso assim é fazendo sentido  para os professores para os pesquisadores para   os autores e esse eu acho que é uma das coisas que  essas oficinas que a gente está participando   agora estão proporcionando e espero que alcancem cada vez mais pessoas e daí de consideração é   fazendo esse trabalho eu entendi que a Wikipedia ela é uma ferramenta Educacional quando alinhada   um projeto pedagógico estruturado como eu comentei dos casos tinha ali as disciplinas e objetivos   de aprendizagem durante aquele período oficina editatona que eu participei em Julho né   que era em comemoração ao dia da mulher negra  é mulher negra caribenha eu acha também tinha   um foi bem estruturado tinha objetivo ali então  eu acho que para que a ferramenta ela seja usada   em contextos educacionais é fundamental que  esse projeto pedagógico esteja bem estruturado   estamos entrado ele possibilita a aprendizagem  pela experiência que é produzir significado   para o aluno e o trabalho colaborativo   estimula a introdução de tecnologias no processo   de ensino-aprendizagem porque como a gente tem  muitas limitações no Brasil de acessos às   vezes é uma coisa muito distante mas não se  a gente pensar que dá para acessar o Wikipédia   pelo celular e planejar alguma alguma atividade  usando o celular mesmo a gente vê que a tecnologia   não está tão longe da nossa realidade Então esse  projeto pedagógico estruturado ele estimula esse uso   e também é uso da Wikipedia ela pode comentar um debate em sala de aula sobre uso de tecnologias é   que tem a ver com dado outra oficina  também se foi comentado os dados que você tá   fornecendo né para plataforma fontes confiáveis  Fake News na cidadania digital são temas que podem   ser abordados com a introdução, estou falando especificamente da Wikipedia com algum   projeto que use a Wikipédia que é uma plataforma  colaborativa, então posso introduzir sistemas com   os alunos de Ensino Fundamental ensino médio e até de ensino superior também essa questão da escrita   em padrões formais é interpretação de texto.


Então  aqui são alguns pontos que eu que esses casos e a   Minha experiência é individual apontaram para mim como fatores é o uso da Wikipédia como ferramenta   Educacional o artigo eu apresentei no CIET ENPED em formato, a distância, então foi bastante em formato de vídeo eu coloquei a gente lá na  começa e teve um Fórum de discussão né então   eu e mais 12 pesquisadores discutimos dali o  que eu tinha proposta do posto e eu coloquei   uma nuvem de palavras também a maioria achou  inusitado né. Deu os parabéns e falou nossa que   legal excelente não tinha pensado nisso dos 12 que interagiram comigo dois falaram que o que usam de   lá em seus projetos pedagógicos em sala de aula  mas a maioria não e alguns falaram que sim que   conceito que nunca olharam para o Wikipedia ou  para as gotas plataformas multimídia com esse   outro olhar com uma ferramenta né para ser usado  em sala de a é isso também reforça esse ponto de   que há um espaço né para daqui a jamais pesquisas nesse assunto e que isso gere mais publicações   bom então aqui as oportunidades desse tema é esse não é é um as plataformas Wikimedia em geral Não só impede são recursos acessíveis abertos e  as pessoas usam, são sites mais acessados do   São sites muito acessados no mundo, as citações  de aprendizagem ele é possível adaptar o uso da   plataforma que está sendo discutido em sala de  aula e, com isso, problematizar a ferramenta  e as questões do contemporâneo apresentação  das fontes confiáveis na humana que está sendo   discutido agora e da precisará Wikipédia para  fazer isso e também a uma quantidade de fomentar   o debate né como eu mostrei no slide anterior aos  professores pesquisadores e educadores não olham   para a maioria né não olham para os pés e aqui no peito de como com olhar de discussão de   fomento como que foi discutido na sala interior  né ali no chat alguém colocou aqui a questão   de que como eu como motor eu disponibilizo meu  material gratuitamente então trazer um olhar no   debate sobre para Wikipédia para o Wikimedia pode gerar essa discussão e isso vai passar nos alunos   também né de usar os recursos que são acessíveis  disponibilizar para outras pessoas eu submeter um   texto que pode ser alterado, que é autor tem  essa questão, geralmente quem produz   coisas tem essa questão da autoria bem ainda  ainda de uma maneira complicada eu posso falar   essa fotógrafa também então eu o que que eu vou  disponibilizar como com a licença Creative commons   que que eu não vou e se produz no item que sala  de aula eu na empresa que eu trabalho a gente   produz muitas coisas lá dentro e acaba que essa  coisa usada uma vez e depois da esquecida e esse   debate do uso do reuso ele pode ser acirrado   olhando para uma plataforma que já está pronta   Está acessível a gente pode pegar lá como  exemplo e discutindo isso então é isso assim   eu apresento para vocês uma sementinha que eu  plantei e tô começando a não sei ainda para que   lado eu vou nessa pesquisa.


Eu terminei o curso de  especialização em tecnologia e tô vendo ainda os   próximos passos mas é só um pequeno recorte que eu fiz é mas as oportunidades elas são imensas para   nesse assunto tanto que é isso a gente tá aqui  numa quarta à tarde em mais de 30 pessoas e é isso   muito obrigada eu coloquei aqui o QR code para o  meu lattes daí tem uma pesquisa interdisciplinar   então eu falo de arte, de educação, de design,  de cultura e estou à disposição, muito obrigada! E é Renata muito obrigada pela sua apresentação  por todas as reflexões de você trouxe. É eu   gostaria de comentar aqui nessa fala da Renata  foi uma sala diferente da nossa oficina que até   o momento a gente trouxe pessoas que estavam  colocando a mão na massa em projetos Wiki aí   a gente tá falando mais com a oficina né então  é de fato ensinando as pessoas a utilizarem as   plataformas de acordo com essas experiências  dessas pessoas e aí, ela justamente trazer uma   apresentação como a da Renata que uma a apresentação  mais analítica, acadêmica sobre o assunto   e trazendo alguns pontos alguns números Então agradeço demais pela sua exposição que todo   mundo achou riquíssima.


E aí aqui eu tenho muitas tem algumas perguntas para você é quem você   gosta em primeiro perguntou foi o João Alexandre Christian que ele fez duas perguntas eu vou fazer   a primeira porque tem algum várias perguntas  dentro dessa pergunta ne depois a segunda pergunta. Tá bom?   Então ele pergunta assim "você acredita que esses dados seriam mais ou menos parecidos em outros   países naquele estado que você trouxe inicialmente? O quê que pode afetar essa relação de educadores?  E educandos com Wikipedia em vários países, é cultura científica acesso à comunicação" eu acho que sim, assim os dados de a sede se a pessoa usa esse ela em projetos acadêmicos   Eu acho que não ia mudar muito não é porque 10 em geral as pessoas têm essa ideia de que eu Wikepedia então por qualquer pessoa então a informação  para instalar não vale até assim eu fiquei na   pesquisa mesmo eu perguntei sobre fonte né porque eu queria saber o que a pessoa pensava que dá o   impede ensina a gente sabe que ela não vai ser  usada no meio acadêmico como referência básica   né, talvez uma situação alguma coisa assim mas eu acho que sim que a visão ela meio Global assim   do que a Wikipedia mas isso eu tô falando também  da minha opinião é não pesquisei em outros países E aí agora ele faz uma outra pergunta você fez uma  fotografia de dados de 2018 né na sua pesquisa aí   ele fala se pudesse fazer uma hipótese esses dados evoluem com o tempo na relação   da Wikimídia com educação está melhorando ou  piorando no Brasil? Como que você avalia isso?   Eu acho que a pandemia ela fez com que os  docentes tivessem que buscar formas de dar   aula e tal e fossem pesquisar mais sobre como  fazer direitos autorais que eu posso usar   no meu material enfim e acho que abrir um pouco o leque de opções que nos recursos tecnológicos   em educação com relação ao uso da Wikipédia não sei se se mudaria muito hoje eu formaria perguntas   diferentes mas se for fazer um formulário  novamente ele não vai ser com essas perguntas   básicas assim a você usa Wikipédia e saber se tá.  Eu já falei um formulário mais completo assim como   eu também não tinha eu já tinha conhecimento  de usuário até então eu não tinha muita base   para fazer um trabalho um pouco mais robusto  como experiência nas oficinas já melhorei ele   demais assim o a qualidade dos meus formulários mas eu acho que é isso assim o trabalho Educacional   que vocês estão fazendo com pesquisadores com  pessoas ligadas às instituições isso impacta   porque vocês foram ao multiplicadores até eu  compartilhei o link da minha apresentação com   as minhas redes com amigas e já fui convidada  para fazer a oficina, eu tô aprendendo ainda como   faz duas amigas que estão em projetos educacionais fora, nossa isso casaria com que a gente faz vamos   fazer uma oficina, então é isso assim esse trabalho  de multiplicação ele é muito efetivo porém eu acho   que de 2018 para cá não mudaria muito a visão das pessoas com relação a plataforma pelos dados   que eu mostrei para vocês dessa discussão do  fórum que ocorreu a semana passada os 12   pesquisadores estavam ali me falaram que nossa que legal não sabia, 2 falaram que já   usam mas a maioria falou não tinha pensado nisso  então eu acho que é um caminho a ser trilhado e   principalmente por isso das pessoas que estão produzindo coisas publicar em seus casos e suas   experiências e levarem para congresso também  científicos acho que isso é muito importante   Temos algumas perguntas aqui mas eu queria  só fazer uma pergunta minha parte que combina   contigo você tá falando justamente antes de  continuar que se você pudesse a contar falar   dois ou três fatores que você analisa como  a motivos dos professores terem as opiniões   um pouco negativa sobre a Wikipedia  que motivações você acha? Então os três   principais motivos eu acho que a questão  de se aberta, qualquer pessoa pode editar   que esse é o básico é especialmente quem já  é Educadora há muitos anos tem títulos vai falar não vou usar um texto que pode ter sido escrito  por uma pessoa de 15 anos que não tem a   bagagem que eu tenho, eu acho que esse é o ponto  principal sim do preconceito, também uma falta   de conhecimento do que é a plataforma do que são os recursos educacionais abertos   como usá-los do que é uma educação aberta que envolvem ensino acessível sem custo eu acho que esses sistemas eles estão sendo  discutido bastante agora eu sou da EAD eu já estou neles há algum tempo mas eu acho que  agora na TV tem sido falado sobre isso então    acho que o primeiro ponto é esse de uma plataforma para qualquer pessoa que tem o   login onde está a falta de conhecimento sobre essa produção coletiva e o terceiro fator eu acho que a   falta de conhecimento das regras que o Wikipedia tem que nos casos isso foi um fator impactante   lá os dois casos eles relatam esse que os alunos  ficaram chocados em saber que não era só escrever   o texto por lá e que ele poderia ser deletado  se não tivesse dentro da das regras da própria   plataforma e eu concordo com você bastante nesse terceiro.


Assim que acho que a falta de informação   e a pessoa não tem não tem porque essa é isso não é isso é realmente é uma informação que é um pouco   mais né usuários que utilizam a plataforma de  uma maneira um pouco mais ativa são aqueles que   acabam sabendo mais sobre o assunto de fato é  uma falta de informação das mim não é companhia   da pessoa na culpa do professor não é culpa do  restante do valor não é só algo que de falta ali   acontece mas que eu acho que também a gente deve analisar né como você tem colocou em pesquisa da   documentação na análise desse neste exemplo nesses casos, né. E aí só continuar aqui então as   perguntas a febre amarela que foi também uma fazer frente nossa primeira fazer frente das oficinas é   assistam ao vídeo gente que a oficina dela ela  pergunta como eu acertei da amostragem para a   coleta dos dados da pesquisa e foi bem básica eu combinei com meu orientador eu fiz dois   dormulários no Google forms e divulguei nas minhas  redes sociais WhatsApp, Facebook, LinkedIn e   pedi para as pessoas responder os docentes que estavam nelas e quem era docente pedi para compartilhar com alunos por isso a amostragem de alunos têm um número um pouquinho menor mas assim como   era um artigo acadêmico no contexto do curso não uma pesquisa grande que envolvia políticas   públicas a gente achou aqui fazendo assim   no Google forms e divulgado em mídias sociais   Agora tem mais uma pergunta da Érica Celine ela  fala é muito curiosa sua percepção da Wikipedia na   educação, né.


E aí ela na pergunta você acha que  isso muda de acordo com a área de conhecimento é   uma noção generalizada. Então a do dois pesquisadores que responderam positivamente   na discussão que eu tive no fórum são da área de  ciências era professor de física e de Biologia é   eu tenho, eu não sei se foi na outra oficina que eu  ouvi alguém falando que era da área de física ou   aqui mesmo dos participantes que atua também eu tenho percebido que eu acho que a área de humanas   que ela mais reticente com relação a Wikipédia  porque o pessoal de exatas e de ciências já tem   algum trabalho desenvolvido nisso né professor que participou na outra oficina ele é da odontologia   ciências então eu eu percebi assim  também é um achismo ter que fazer uma pesquisa   mais aprofundada mas da minha experiência  que a área de humanas que fica meio assim O Matheus Figueiredo acho que ele faz a  última pergunta estava aqui procurando porque   me atrasei um pouco no cha, ele pergunta se  você se eu acho que o seu trabalho não sei   se é o trabalho da Renata ou se há outro  que ela cita está disponível para leitura   Renata se você puder depois deixar  o link aqui no chat pro pessoal    Alguns estão disponíveis na internet eu vou  colocar vou pegar outro caso mas eu acho que ele   é um PDF já mas tudo bem eu baixo e o outro eu  coloquei o link.


Depois também   colocar no grupo do Slack para o pessoal legal  então e eu acho que é isso acho que é são todas   as perguntas tem alguns comentários elogiando a sua pesquisa  aqui no chat depois você lê direitinho   mas essa foi a última pergunta e foi bem a gente  tá aqui nas 4 horas não sei se mais alguém que   fazer. Aqui tem uma do Mateus que eu tô lendo sobre a recomendação do material para Ensino   Fundamental e Médio. Ai, desculpa eu me perdi nessa pergunta, é na apresentação eu falei da questão   da discussão de sobre fake News por exemplo é um  assunto fontes confiáveis mas uma coisa básica   que tem a ver com cidadania digital é ensinar a pessoa  a olhar para um material disponível na internet   identificar né como fatores que classificam que  ele material como uma fonte de credibilidade né   então pegar uma página e mostrar para o  aluno as referências, explicar o contexto de   como é produzido um texto colaborativo no  caso da Wikipedia a página de discussão que foi   citada na oficina anterior.


Eu já li alguma algumas  situações de aprendizagem nesse sentido e levar   o aluno a identificar que não é só aquele texto  aquele texto está sendo discutido ali no lado   então acho que para alunos do Ensino Fundamental e Médio eu eu iria pelo básico assim disso de   interpretação de texto de identificar uma fonte  confiável dentro do Wikipédia e depois assim com   um pouquinho mais propriedade dá para trabalhar  essa coisa de produzir imagens e colocar lá e eu   li o na durante a minha pesquisa bibliográfica  eu li numa notícia de um professor que ele tá incentivando os alunos a preencherem verbetes  relacionados a sua cidade, que é uma coisa   muito legal, convidou os alunos a olhar  o Wikipedia e ver o que estava escrito lá sobre a cidade que eles mesmo moram na  cidade, eles produzirem esse conhecimento e   colocarem lá, então eu acho que com o público  de Ensino Fundamental e Médio é por aí os   projetos maiores de produção textual e tal daí  fica com um público um pouquinho mais velho   do ensino superior.


Eu acho que você tocou  num ponto realmente bem importante porque é muito   a gente tem essa discussão lá na comunidade que é  um pouco difícil é atuar com projetos e programas   de Educação no Ensino Fundamental e Médio porque são estudantes muito jovens que elas não tem ali   responsabilidade para lidar com a ferramenta.  E aí o que você colocou acho que é muito bom que é ensinar o que é uma referência e  como usar uma referência e se aprofundar naquele   assunto através da transferência, que eu acho esse ponto até os professores acabam   não entendendo, então a ideia não é só ficar  na página do verbete da Wiki mas se aprofundar   no assunto através da página pelas referências  e isso como como se fosse uma enciclopédia mesmo   né, um assunto vai levando a outro eu  acho que é isso sim para ensino fundamental   a questão da interpretação da informação é uma  coisa muito legal e necessária é hoje em dia   e isso acaba também até funcionando em  cursos superiores de graduação e ainda eu acho   que o aspecto que você colocou muito bom da página de  discussão e do histórico da página também para   fazer a pessoa entender que tem toda uma  comunidade e universo por trás daquele conteúdo que   tá sendo mostrado, acho que esses três fatores, histórico, discussão e referências são três   coisas muito importantes para se mostrarem para  ajudar na formação desses jovens estudantes   Acho que tem mais uma pergunta aqui.


Alexandre Montilha que também   apresentou da oficina passada é vocês tem intenção de avaliar ou já chegaram analisar de maneira mais   direta, qual o nível de engajamento dos alunos após finalizada as atividades educacionais na   plataforma ou seja a retenção desse público  como usuários ativos na plataforma. Na verdade   essa parte não foi realizada neste trabalho que  eu apresentei, eu apresentei casos de pesquisa bibliográfica de pessoas que realizaram  ações com Wikipedia e em contexto Educacional e   os resultados deles e daí fiz a contextualização  com os meus dados que eu coletei eu não cheguei   aplicar eu mesma uma oficina e é o próximo passo aprofundar mais isso nessa questão das razões   engajamento e como eu falei é só apresentar  pra vocês uma sementinha do que pode surgir   depois mas é com certeza é para a gente  entender melhor esse contexto Educacional   é preciso aplicar o projeto e depois analisar  esses resultados com mais gente participando   também talvez fazer uma parceria aqui com vocês nas  oficinas da Wikimedia e entrevistar quem participa depois [inaudível] também para a gente  pensar também mais a frente.


Bom pessoal se não tiver mais   perguntas eu vou então encerrar porque a gente  já passou um pouco do nosso tempo também a   ideia que termine as 16h. Muito obrigada  Renata pela sua apresentação, foi muito bom   e a gente pode continuar conversando pelo Slack também sempre depois das oficinas acontece uma discussão bem legal. Então, vão para  lá a gente entrei na plataforma, Renata por favor   compartilhe e o link do artigo lá também tá.  E é isso a gente conversa, a   próxima oficina como eu disso no dia 21 de outubro. A gente já tá conversando   com as pessoas que vão apresentar o Alexandre  vai voltar nessa próxima oficina também junto   com a Thaís Moraes vão apresentar alguns projetos bem legais, tá bom.   Obrigada a todos, obrigada mesmo! A gente vai se falando. Muito obrigada, tchau!.

No século XV, Espanha e Portugal eram os grandes potências marítimas que disputavam controle comercial e religioso do mundo. Quando Cristóvão Colombo voltou de sua primeira viagem à América, iniciou-se uma disputa entre os dois reinos, mediados pela Igreja Católica, para ver quem tinha o direito a estes territórios. Após duras negociações, eles concordaram para dividir o globo. Para isso, traçaram uma linha que dividia Zonas marítimas do Oceano Atlântico e o chamado “novo mundo” com o Tratado de Tordesilhas. O acordo dizia que tudo a leste dessa linha divisória passaria para as mãos da coroa portuguesa e tudo a oeste seria nas mãos da coroa espanhola. É por causa dele que, quando Pedro Álvares Cabral chegou ao atual litoral baiano em 1500, O Brasil ficou sob o controle de Portugal. Os dois impérios coloniais dominaram a maior parte do parte do continente há mais de 300 anos, mas eles terminaram de forma muito diferente. Ao tornar-se independente, a América espanhola dividido em muitos países e os portugueses permaneceu um. Mas por que? Para entender as diferentes direções tomadas Brasil e resto da América Latina É importante falar sobre as diferenças gerais entre os dois impérios do meio do século XVIII. A primeira dessas diferenças é a organização dos territórios. Para facilitar o seu controlo, Portugal tinha separou a colônia em dois – o Estado de Brasil e Estado do Maranhão e Grão-Pará.


Essa divisão foi feita com o objetivo de integrar melhor o interior da colônia para comercializar Português no Oceano Atlântico. as correntes atividades marítimas fazem, do Maranhão, ser mais rápido para navegar para Lisboa. O Estado do Brasil foi dividido em capitanias geral, cujos centros de poder se concentravam principalmente em cidades litorâneas como Rio de Janeiro, Salvador e Recife. Foi relativamente fácil viajar de um para o outro, em comparação com o império espanhol, e Isso facilitou a relação entre elites políticas nesses centros de poder. A América espanhola, por outro lado, era muito mais extensa. e a forma como foi dividido, incluindo geograficamente, era mais complexo e fragmentado. Estendeu-se do que hoje faz parte dos Estados Unidos. Unidos ao Cone Sul, e divididos em quatro grandes vice-reinados e quatro capitanias gerais. E o fato de a Espanha não permitir tinham relações comerciais entre por si mesmo durante séculos fez com que eles tivessem poucos e geridos de forma localizada. Outro elemento importante foi a Igreja Católica.


Em ambas as colônias ela teve um papel fundamental no controle da vida cotidiana e política. No Brasil, tinha uma estrutura unificada ao redor do arcebispado da Bahia. Isso reforçou as ligações entre as diferentes partes do território Português, que respondeu a um único centro religioso. Na América espanhola, a Igreja foi dividido em cinco arcebispados, que contribuíram para que a organização dos territórios era ainda mais independente. Mas e as pessoas? Bem, as duas sociedades foram formadas principalmente por uma elite minoritária de descendência Europa, uma enorme população de mestiços, que transitavam entre os estratos sociais, e os trabalhadores escravizados, indígenas e africanos. E ambas as sociedades também eram, sim é claro, sujeito ao poder de um rei que foi através do Oceano Atlântico. A América espanhola foi governada pela dinastia dos Bourbons e dos Portugueses, pelos Bragança. Outra diferença entre as colônias foi a a forma como as elites políticas dividiram o poder. O poder político das elites brasileiras foi baseado no controle da terra por uma oligarquia dos grandes latifundiários e do aparato burocrático, por juízes, advogados e funcionários públicos.


Mas a educação dos burocratas ocorreu principalmente em Coimbra, Portugal, já que a coroa portuguesa não permitiu a abertura das universidades do Brasil. Era uma forma de manter o controle intelectual sobre as elites e prevenir o ambiente de universidade para fomentar ideias de independência. Mas esta experiência conjunta como estudantes em Portugal também ajudou a criar relações entre as diferentes elites locais brasileiras e aprofundou sua identificação com a metrópole. Nos estratos mais altos, os reinols, como eram chamados os nascidos em Portugal, acostumados a ocupar os mais altos cargos de gestão público. Havia tensão entre os reinos e os brasileiros em algumas regiões. Mas no século 18 essa rivalidade tinha foi amplamente neutralizado pela coroa portugueses por meio de decretos que foram ampliar o acesso dos brasileiros ao poder político local.


E isso é importante porque foi justamente o oposto do que aconteceu na América Espanhol. Lá, essa diferença social entre as elites era muito mais marcado. De um lado estavam os peninsulares: vinham da Espanha e foram a minoria que ocupou o altos cargos políticos e administrativos. Do outro, os espanhóis nascidos em América, chamados crioulos. Muitos eram proprietários de terras, fazendeiros ou comerciantes. Em meados do século XVIII, eram eles que tinham o poder econômico. Mesmo assim, eles ocupavam as posições mais baixas. da administração. E se sentiram discriminados porque, apesar de ser espanhol e ter recursos, não estavam nos níveis mais altos do governo. Essa percepção se agravou após as reformas do rei Carlos III. Mudanças durante seu reinado incluíram a reestruturação da administração colonial e o aumento dos impostos sobre as colônias.


Uma das razões para isso é que a Espanha passava por uma profunda crise econômica. e precisava de dinheiro para financiar guerras contra outras potências como a Inglaterra. Mas o aumento de impostos causou mais indignação nos crioulos contra o que eles viam como a exploração de seus ganhos para a coroa. Além disso, ao contrário do que aconteceu no Brasil, as reformas fizeram com que a Crioulos começaram a perder espaço no poder localização para as peninsulares. Esse contexto favoreceu uma organização das elites crioulas, que mais tarde liderariam movimentos de independência. Durante esses anos também começaram a circular nas Américas ideias que questionavam a autoridade das monarquias europeias e da Igreja, promovido para as guerras de independência nos Estados Estados Unidos e Haiti e a Revolução Francesa. No meio de tudo isso, as Guerras Napoleônicas acabou sendo um ponto de virada no relacionamento entre as coroas ibéricas e as suas colónias americanos. Vamos começar com o que aconteceu no território português, que nessa altura já estava unificado em um estado, o Brasil.


Em 1808, as tropas de Napoleão invadiram Portugal e a família real fugiram para o Rio de janeiro. D. João 6º levou consigo toda a corte, os arquivos, o tesouro, as bibliotecas reais e cerca de 15 mil pessoas. E isso é muito significativo para entender a unidade brasileira. A chegada dos Braganças da colônia foi um caso único no mundo: nunca antes um monarca Europeu mudou-se com o tribunal para América. No interesse da monarquia, é claro, Dom João aboliu o monopólio comercial da Portugal sobre o Brasil, abriu os portos e permitiu que a colônia fabricasse produtos. E o rei deu um passo além: criou o Reino Reino de Portugal, Brasil e Algarves, ou seja, O Brasil tornou-se oficialmente o novo centro da coroa e o Rio de Janeiro, a capital do império. Estabeleceram-se importantes instituições como o Conselho de Estado e o Supremo Tribunal, entre outros.


E os primeiros também foram abertos universidades. Com o fim da dominação francesa, aumentou a pressão em Portugal por Dom João 6º regresso a Lisboa e criação de monarquia constitucional. Ele voltou em 1821, e saiu em seu lugar seu filho, Dom Pedro. Mas os tribunais portugueses também pressionaram para que o Brasil volte ao seu status de colônia e exigiu a volta de Dom Pedro, por medo de que ele liderasse um movimento de independência.


Mas as batalhas contra os portugueses já havia começado em Pernambuco em 1821. E Dom Pedro acabou desafiando a corte e declarando independência do Brasil em 1822. Talvez este tenha sido o principal motivo da que o Brasil chegou unificado no momento da sua independência de Portugal. A independência foi alcançada com a participação da mesma família real portuguesa, que já tinha um tribunal e instituições estabelecidas na colônia. E que também teve a experiência de reprimir revoltas das elites locais que, em anos anteriores, tentou obter mais autonomia e pagar menos impostos. Mas como o Brasil conseguiu se manter como um país após a independência? Bem, o Brasil foi o país do mundo com mais escravos e a recente independência do Haiti — que era liderado por escravos — assustado parte das elites. O estabelecimento de uma nova monarquia central, com D.


Pedro 1º como imperador, foi uma forma garantir a ordem pública diante de uma potencial revolta de escravos. Durante o império, houve rebeliões que tentaram partes separadas do Brasil ou convertê-los em repúblicas, como a Confederação do Equador, em Pernambuco, Sabinada, na Bahia, e a Revolução Farroupilha, no Rio Grande do Sul. Mas as elites locais não apoiaram totalmente esses movimentos, por medo de que um distúrbio sociedade ameaçava seu poder. Então era mais fácil para a coroa reprimi-los. Ou seja, apesar das diferenças regionais, ter um país unificado sob um único governo naquele momento, tornou as elites capazes de manter seus privilégios e a estrutura de escravidão. E como a invasão napoleônica impactou a América espanhola? Napoleão Bonaparte também invadiu a Espanha em 1808. Rei Carlos 4º e seu filho Fernando 7º abdicou do trono em favor do general francês. E Napoleão cedeu o trono a seu irmão, que foi coroado como Joseph I. Mas nas colônias, a elite crioula não reconheceu o novo monarca francês. Isso deixou um vácuo de poder no território espanhol que os crioulos aproveitaram para criar seus próprios governos locais e promover movimentos de emancipação. Foi assim que, em 1809, começou uma onda movimento de independência que levou o continente a um longo e complexo processo de fragmentação.


Ao contrário de seus vizinhos brasileiros, os Os hispânicos não tiveram uma experiência compartilhada governo único. Além disso, nenhum dos novos centros de poder que surgiram nessa época, como o México ou Buenos Aires, tinha poder militar para unir todo o território sob sua liderança. Quando Fernando VII voltou ao poder em 1814, ele tentou subjugar as colônias novamente à coroa espanhola, em vez de garantir a autonomia que eles estabeleceram depois de alguns anos de autogoverno. Mas essa decisão aprofundou o ressentimento das elites crioulas. E deu mais força movimentos de independência. Mas a essa altura as colônias estavam tão fragmentado que era impossível estabelecer Um país.


As sangrentas guerras de independência em região duraria muitos anos. posso faz outro vídeo só sobre isso. Mas apesar das divisões entre os territórios espanhóis, houve também propostas para criar dos grandes estados. Essas propostas iam desde uma união de repúblicas como a Gran Colombia, formada pela atual Colômbia, Equador, Venezuela e Panamá… … até tentativas de criar monarquias comandadas por reis de uma família real europeia, como as Províncias Unidas do Rio da Prata, que acabaria se tornando Argentina, Paraguai, Uruguai e Bolívia. Todos eles falharam, e do território espanhol acabou surgindo 18 países. o último foi Panamá em 1903. No Brasil, todo o período imperial foi marcado por pelas tentativas de criar o imaginário de um identidade nacional e reprimir violentamente movimentos contra essa ideia. Isso continuou mesmo após a proclamação da República em 1889. A Independência das Colônias da Espanha e Portugal nas Américas foram apenas o começo de um processo que perdurou até o século 20. E o seu impacto na política, na economia e na na cultura da região ainda hoje se faz sentir.

Language »